Magnum Wine Radio 186 – Sobre os vinhos do Festival do Bacalhau e Expofacic

A 11ª edição do Festival do Bacalhau realiza-se de 8 a 12 de Agosto, na Gafanha da Nazaré (Ílhavo) enquanto a Expofacic começa já amanhã. Se os programas podem ser vistos nos sites respectivos (consultar links dos nomes) já a componente vínica do mesmo foi a razão do podcast de hoje.

Da Expofacic pouco mais há a dizer: é em Cantanhede, e um dos maiores patrocinadores do evento é a Adega de Cantenhede. Razão mais do que suficiente para ser “omnipresente” no evento, com os seus espumantes e vinhos.

Já a Câmara Municipal de Ílhavo (que organiza, com a Confraria Gastronómica do Bacalhau o festival) começou no Festival passado uma parceria com a Rota da Bairrada para a criação dos vinhos com a marca “Faina Maior” que depois vende no Museu Marítimo de Ílhavo e Aquário dos Bacalhaus. Nessa altura lançou o espumante Faina Maior, produzido pelas Caves São João, com o pvp de 10€.

Para esta edição, que conta igualmente, tal como o ano passado, com um stand da Rota da Bairrada durante o evento, anunciou um Tinto Reserva e um Branco Reserva. As fichas técnicas estão nas imagens mas fica desde já a indicação que, ambos DOC Bairrada e ambos a 12,5€ são produzidos pela Casa do Canto (o Branco 2016) e pela Adega Rama (o Tinto Reserva 2014).

O Faina Maior Reserva 2014 é um vinho tinto feito com o blend de Touriga Nacional (50%), Baga (35%), Syrah (8%) e Merlot (7%), com um estágio seis meses em barrica e um ano em garrafa; o vinho branco Faina Maior Reserva 2016 combina as castas Arinto, em maior percentagem, com Sauvignon Blanc e Bical, tendo fermentado 25% do lote em barricas de carvalho francês.
São uma edição limitada a 600 garrafas de cada colheita, com um preço de 12,50€ e que está à venda nos espaços da Associação Rota da Bairrada – na Curia, em Oliveira do Bairro, na Vagueira e na Tocha (estes dois últimos espaços pop-up; até setembro) – na loja do Museu Marítimo de Ílhavo e nas lojas de Turismo de Ílhavo.

Bom apetite e bom festival a todos!

Magnum Wine Radio 185 – Os espumantes da Quinta do Ferro

Nem só da Bairrada e Távora-Varosa vivem os espumantes. Já há muitos produtores da zona dos vinhos verdes que aumentam o seu portfólio com um ou dois espumantes. Mas casas que apostam maioritariamente em espumantes, nos Verdes, conheço poucas e de memória só duas: Casa Senhorial do Reguengo e a Quinta do Ferro.

Aproveitando a presença no Vinho Verde Wine Fest, aqui fica o podcast com a Dama de Ferro Micaela Fonseca. Uma entrevista apaixonante que descreve as virtudes de Baião e da casta Avesso para o vinho-base espumante e o portfólio da Quinta do Ferro.

Magnum Wine Radio 184 – Mostrar as virtudes da Adega de Cambra pelo Nuno Vieira da Silva

Vale de Cambra pode ser terra de milionários, terra do interior norte do extinto distrito de Aveiro mas é também terra de vinho, de viticultores. Um terroir em que sendo uma zona de altitude, conjugada com as castas caracteristicas dos Vinhos Verdes, região onde (ainda) se insere, permite um tipo de vinho base… que o enólogo Nuno Vieira da Silva mostra como de grande potencial para espumantes.

Fiquem a conhecer melhor Nuno Vieira da Silva e a Adega Cooperativa de Vale de Cambra!

Magnum Wine Radio 183 – Do Vinho Verde Wine Fest, com amor!

5ª edição da Vinho Verde Wine Fest e 5ª presença minha. A par com a Essência do Vinho, é o único evento que não tenho falhado nos últimos anos. Conjuga de forma hábil o evento de “provas” com a componente festa. Poderia ter mais de uma e de outra? Claro que podia. Mas se nada é perfeito e pode melhorar, o VVWF consegue acertar no seu público, mostrar os Verdes ao Porto e os portuenses e não só aos Verdes.

Tenho assistido a uma clara renovação de marcas, rótulos e tipos de vinho. De empresas. Das caras por detrás dos projectos. Se a Carla Cunha, no podcast, dá uma visão certeira do que o vinho verde pretende, como entidade e instituição, as marcas e projetos que têm estado ao longo destes cinco anos, dão-nos a visão da renovação, internacionalização e pensamento que estão presentes nos novos e velhos actores do vinho verde.

Dêem uma oportunidade aos vinhos verdes. Vão ver que eles os vão entusiasmar. Não percam a excelente entrevista no podcast e, na galeria, alguns dos vinhos mais vibrantes que provei – e outros haveria para publicar…

Magnum Wine Radio 182 – Romanos, Romana… Vini

Nem só de marcas conhecidas vive o mundo e fomos levados, sem ser pela força das armas dos romanos, a conhecer o projeto Romana Vini. Desperdiçar a oportunidade para perceber as diferenças, a forma de actuar, a maneira de comercializar. Vale a pena ouvir o podcast…

Magnum Wine Radio 181 – O projeto Positive Wine

De uma assentada, falamos de um conceito novo e que nasce com força na Bairrada. Positive Wine, PT Wine e Adega Quatro Cravos que têm em comum um accionista, o Eng. Alberto Cravo. Também Nuno Bastos, o enólogo e CEO e Ivan Portela, a parte comercial, dão a cara pelo projeto nesta tripla entrevista que fala muito da qualidade do que se pretende.

Magnum Wine Radio 180 – A paixão de Tiago Alves de Sousa

Este foi o outro lado da história da família Alves de Sousa. Falar com Domingos Alves de Sousa seria não saber como começar… nem como acabar. Talvez apenas a uma mesa e com longas horas e vinhos pela frente. Assim, optei por fazer um podcast com Tiago Alves de Sousa, o filho, o enólogo, um dos herdeiros a dar a cara por vinhos fantásticos e uma imagem de marca que as marcas não esquecem! Quem não se lembra de um abandonado, um memórias ou um Quinta da Gaivosa? Vinhos para não deixar ninguém indiferente!

Magnum Wine Radio 179 – A Montalegre de Francisco Gonçalves

Francisco Gonçalves optou por trabalhar em Trás-os-Montes, no seu projeto pessoal, Montalegre, uma das vinhas mais altas da Península Ibérica. Mas depois de muitos anos a trabalhar no Douro, foi para outras paragens. Faz igualmente os vinhos São Matias, no Dão, mas o grande tema do podcast foi, sem dúvida, a menina dos olhos, a marca e o projeto Montalegre, os seus vinhos de altitude.

Magnum Wine Radio 178 – Opta(r) por um Grande Reserva!

Os vinhos OPTA são, claramente, uma marca “diferente”. Primeiro porque surge virada para a exportação (foi dai que surge a ideia), por Camilo Leite, numa parceria com Nuno Cancela de Abreu. Assim, poucos conhecem os vinhos ou então pensam, erradamente, que era uma submarca da Boas Quintas de Cancela de Abreu. Não. Devem optar por conhecer.

A convite da JL Vinhos, do Joel Leite, estivemos a provar (no Oxalá) quase a gama completa dos vinhos, desde um espumante Bairrada à coqueluche, e que estava a ser lançado nesse dia, o Opta Grande Reserva. Um grande vinho, “fora da caixa” e que foi uma enorme e positiva surpresa da noite. E dai fomos falar com Camilo Leite.
Com um portefólio multiregional e diversificado, a Opta Wines inova para dar resposta às novas necessidades dos consumidores, cada vez mais exigentes e que procuram sensações diferentes. Para atingir paladares mais sofisticados, onde a qualidade, nível e fator surpresa são um must have, nasce o Opta Grande Reserva Tinto 2015.
Da autoria do enólogo Nuno Cancela de Abreu, Opta Grande Reserva Tinto 2015 promete surpreender através das nuances de eucalipto, tanto no aroma, como no sabor.
As castas Touriga Nacional, Alfrocheiro e Tinta Roriz, depois do contacto pelicular de três dias a frio a fermentação decorreu a 24ºC durante duas semanas com maceração suave em cubas de inox. “O estágio de 18 meses em barricas de carvalho francês amaciou os taninos e conferindo-lhe grande complexidade e uma elegância muito própria dos grandes vinhos do Dão” refere Nuno Cancela de Abreu.
Camilo Leite, partner da Opta Wines, afirma que “O Opta Grande Reserva Tinto 2015 é um vinho que marca pela diferença, desde logo conferida pelo terroir único e muito característico, resultante do manto de eucaliptos que rodeia a nossa vinha”. Acrescenta ainda que “algumas folhas de eucalipto, as menos persistentes, podem ser encontradas no solo, conferindo um terroir único e muito característico, de perfeita harmonia entre castas, solo granítico e as nossas práticas vitícolas”.

Magnum Wine Radio 177 – Refresh Bairrada é no dia 07 de Julho em Aveiro

Se desde sempre o REFRESH – Espumantes Bairrada era um evento que simboliza a Bairrada e os seus espumantes, também era associado a Coimbra, e em especial às Piscinas do Mondego.

Mas este ano dá um passeio até Aveiro, à cidade dos canais, e apresenta-se na esplanada do Olaria, no Centro Cultural e de Congressos, com organização a cargo da CVR Bairrada.

O evento que junta produtores vitivinícolas e enófilos em torno do espumantes, custa 5 euros (com convite) a 10 euros (sem convite) com direito a flute e decorre das 15h às 20h de dia 07 de Julho, sendo muito fácil chegar de comboio (preferencial) ou de carro, pois realiza-se no centro da cidade. Pela experiência dos últimos anos, a maior parte dos produtores marca presença (cerca de duas dezenas, pelo menos).

Tendo em conta que, em princípio, para o ano este evento volta a Coimbra, lançamos o desafio a todos para se deslocarem a Aveiro e demonstrarem a nossa paixão pelos espumantes!