Magnum Wine Radio nº88 – Grandes Escolhas em Lisboa

Muitas feiras de vinhos em Lisboa. Uma maravilha para o consumidor. Em um mês, os consumidores lisboetas podem usufruir, em fins de semana consecutivos, de vinhos de enorme qualidade e tudo com bilhetes módicos. Desde o meio de Outubro já puderam disfrutar dos vinhos Alentejanos e também da Feira de Vinhos do Campo Pequeno. Este próximo fim de semana vão ter uma das grandes Feiras e nos próximos, ainda terão o Dão Capital e o evento da Revista de Vinhos. Este podcast debruça-se sobre a Grandes Escolhas e como o consumidor pode aproveitá-la.

Magnum Wine Radio nº87 – Divulgar os vinhos com José Silva

Na semana passada, José Silva esteve por Aveiro, num jantar privado. E o Magnum Wine Radio esteve a conversar com ele, sobre a forma de divulgar o vinho, como falar com o público – consumidor, a experiência necessária. Uma pequena conversa sempre útil, e sempre à volta de um copo de vinho.

Magnum Wine Radio nº86 – João Póvoa, um doutor das vinhas

Neste programa entrevistamos João Póvoa. Desde a Quinta de Baixo ao actual Kompassus, num projecto em que a enologia é realizada com Anselmo Mendes e que conta com um Alvarinho, João Póvoa tem dado sempre primazia à Baga. Mas a gama aumenta cada vez mais e os brancos são… uma enorme surpresa. A ouvir, como sempre.

Magnum Wine Radio nº85 – Lamento pela Floresta

No programa de hoje deixamos de lado os vinhos e dedicamos o episódio à catástrofe sofrida ontem por muitos e muitos portugueses. Um lamento por toda a região centro que sofreu fortemente devido aos incêndios.

Magnum Wine Radio nº84 – Como comunicar sobre o vinho

Um podcast em que falamos sobre como gostar de vinho, como comunicar com o consumidor, como provar vinho. Reflexões à volta destes assuntos para saber como provar e apreciar o vinho e como falar com os consumidores. Apaixonante é falar sobre vinho.

Magnum Wine Radio nº83 – Agenda Semanal e a Taxa da Rolha

Neste programa falamos da agenda semanal mas também do vinho que levamos para o restaurante. Uma opção válida, e lança-se o desafio do consumidor perguntar se pode levar um vinho de casa para o restaurante.

 

Um final de dia e noite com Luis Soares Duarte

A Garrafeira 5 Estrelas organizou mais uma prova na passada sexta-feira, dia 22, com a presença dos vinhos Gouvyas e do seu produtor e enólogo Luis Soares Duarte. E a prova transformou-se no já esperado. Uma volta pelo passado, presente e futuro de um projecto muito pessoal do João Roseira e do Luis Soares Duarte, com vinhos de um equilíbrio singular e que permitem o estágio em garrafa por largos anos… como pudemos comprovar num jantar informal que degustámos algumas relíquias.

Em prova estiveram
GOUVYAS TINTO 2007
GOUVYAS VINHAS VELHAS TINTO 2006
GOUVYAS RESERVA BRANCO 2003 1.5L
GOUVYAS ÂMBAR BRANCO 2010
GOUVYAS MOSCATEL GALEGO 2015
GOUVYAS TINTA FRANCISCA 2015
GOUVYAS TOURIGA FÊMEA 2015

E os ainda não engarrafados Viosinho e Clarete. O que marcou a prova, além da prosa fácil do enólogo, foi a acidez e o equilíbrio dos vinhos, sejam brancos e/ou tintos, aguentando por largos anos (os mais velhos, já com dez anos, ainda muito jovens) e os brancos a pedir que a degustação fosse “à mesa”.

Curiosamente, esse tema da longevidade dos mesmos, foi o motivo para uma discussão “à mesa” logo a seguir à prova. O leque foi o seguinte:

O resultado? O melhor vinho da noite foi o 2000 OP, seguido do 2000 “normal”, com o 2001 “já morto” e algum couro acentuado no mais velho. Uma grande prova, numa grande noite e um agradecimento ao Ceboleiros pela ementa. Deliciosa!

Um Wine Sunset 5 Estrelas!


O convite partiu do Casablanca, ao qual a Garrafeira 5 Estrelas se associou desde a primeira hora. E a Mercentro também. Palavra puxa palavra, distribuidor puxa produtor, e com eles muita, muita gente. Se juntarmos os petiscos do Chef Tony Martins e a música do Vasco Miguel, estava tudo pronto para um final de tarde muito bom na Vagueira.

E como o sol ajudou, a tradicional filosofia dos portugueses (onde se registam 3, podem ir 1 ou 5) fez com que o espaço se enchesse! Um pouco demais para quem queria estar calmamente a falar com produtores, mas a boa onda, bom som e bom vinho serviram para que tudo corresse pelo melhor.

Quanto aos vinhos (os petiscos estiveram em quantidade diminuta para a ocasião), houve dois ou três que estiveram em primeira mão na zona de Aveiro sendo um dos exemplos a Herdade da Mingorra que ainda é uma desconhecida (mas dará que falar) ou o Soito Wines, do Dão, e outros já eram velhos conhecidos dos presentes, mas que não podem deixar de estar, para gáudio de todos, como Quinta de Santiago, Piorro, Zé da Leonor, Ana Rola ou Adega de Cantanhede.

Um dos espaços que esteve em grande foi o Martha’s cujos cocktails e Porto Tónico divertiram os presentes. Em traços gerais, boa organização. Com ainda melhor tempo, vai ser necessário ir para o areal 🙂

Prova Vínica Ribafreixo Wines

Decorreu na passada sexta-feira a prova de vinhos habitual da Garrafeira 5 Estrelas, desta vez com vinhos da Ribafreixo Wines. É uma empresa ainda recente (faz 10 anos) e que junta a visão cosmopolita do seu fundador, Mário Pinheiro, cuja influência sul-africana, onde viveu, mostra-se no Chenin Blanc (Connections) ao conhecimento profundo do Nuno Bicó. apaixonado pelo rei Antão Vaz e outras castas. A marca mais sonante da casa é Gáudio, seguido dos Pato Frio e Barrancoa.

Mário Pinheiro e Nuno Bicó são os fundadores, Paulo Laureano dá a consultoria enológica, sendo a presença diária assegurada pelo enólogo Jorge Rebocho e Vitor Oliveira conjuga a componente comercial com um saber estar impecável!

Em três anos compraram 28 parcelas de terrenos abandonados, que transformaram numa propriedade única e uniforme à qual deram o nome de Herdade do Moinho Branco, com uma área de 114 hectares, juntinho à Vidigueira.

Provou-se:
PATO FRIO CASHMERE 2016
PATO FRIO ANTÃO VAZ 2016
PATO FRIO VERDELHO 2016
PATO FRIO GRANDE ESCOLHA ANTÃO VAZ 2015
PATO FRIO RED EDITION 2014
GÁUDIO VERDELHO 2016
GÁUDIO CLÁSSICO TINTO 2014
GÁUDIO RESERVA TINTO 2013
GÁUDIO VINHO LICOROSO 100% ANTÃO VAZ

José Carvalheira marca os seus 20 anos com Vigesimum

E quando um homem chega às 23 colheitas, surge… o vinho comemorativo das suas 20 vindimas!

Para José Carvalheira, a decisão de honrar as suas 20 vindimas com um vinho de homenagem, marcante, estava tomado. E também o tipo. Sair fora da sua zona de conforto, daquilo que ele gosta de fazer e ensinar: o espumante. Por isso, nunca poderia ser um vinho espumante. E com um histórico de geração e prémios, a ideia de fazer um vinho tinto ganhou força… Aquilo que José Carvalheira não estava a contar era com a vindima, difícil, de 2014. Quase que teve que arranjar um guarda-chuva para cada videira…

Mas no final, o esforço compensou e o seu trabalho de enólogo tem um produto que o honra para apresentar. Vigesimum, nome latino para a vigésima colheita que fez, esperou até 2017 para sair da adega e dar corpo ao vinho. Um vinho que, segundo o seu autor, irá dar mais daqui a uns anos mas que demonstra claramente o seu potencial desde já.

Vigesimum demonstra o nível, o estilo, a forma de estar de José Carvalheira. Um senhor dos espumantes que vai aos vinhos tintos ambicionar algo mais! Ouçam toda a história no video!