Portugal com mais 2 estrelas e 2 restaurantes com estrelas Michelin

Os resultados do Guia Michelin Espanha e Portugal 2018 foram anunciados na quarta-feira, dia 22 e já sabemos que há dois novos restaurantes portugueses a receber uma estrela. São eles: o Vista, do hotel Bela Vista, na Praia da Rocha (Portimão), do chefe João Oliveira, e o Gusto, do Hotel Conrad, na Quinta do Lago (Almancil), que tem o alemão Heinz Beck como chefe consultor. De realçar que Tiago Bonito conseguiu, em seis meses, segurar a estrela obtida pelo André Silva no Largo do Paço, o que não é normal pois os fiscais do Guia costumam “multar” estas mudanças de chef.

A lista completa dos restaurantes Michelin é esta, com clara expressão maior em Lisboa e Algarve

1 estrela

Alma (Lisboa, chef Henrique Sá Pessoa)
Antiqvvm (Porto, chef Vítor Matos)
Bon Bon (Carvoeiro, chef Rui Silvestre)
Casa de Chá da Boa Nova (Leça da Palmeira, chef Rui Paula)
Eleven (Lisboa, chef Joachim Koerper)
Feitoria (Lisboa, chef João Rodrigues)
Fortaleza do Guincho (Cascais, chef Miguel Rocha Vieira)
Gusto by Heinz Beck (Almancil, Chef Heinz Beck e Daniele Pirillo)
Henrique Leis (Almancil, chef Henrique Leis)
LAB by Sergi Arola (Sintra, chefs Sergi Arola e Milton Anes)
L’AND (Montemor-o-Novo, chef Miguel Laffan)
Largo do Paço (Amarante, chef Tiago Bonito)
Loco (Lisboa, chef Alexandre Silva)
Pedro Lemos (Porto, chef Pedro Lemos)
São Gabriel (Almancil, chef Leonel Pereira)
Vista (Portimão, chef João Oliveira)
William (Funchal, chefs Luís Pestana e Joachim Koerper)
Willie’s (Vilamoura, chef Willie Wurger)

2 estrelas

Belcanto (Lisboa, chef José Avillez)
Il Gallo d’Oro (Funchal, chef Benoît Sinthon)
Ocean (Alporchinhos, chef Hans Neuner)
The Yeatman (Vila Nova de Gaia, chef Ricardo Costa)
Vila Joya (Albufeira, chef Dieter Koschina)

Wine Fest 2017 do Porto no sábado!

O próximo sábado, dia 18, obriga-nos a pensar em ir ao Porto. Mais especificamente ao Salão Nobre da Alfândega do Porto que recebe mais de 30 produtores de vinhos e espumantes. É a repetição, dado o sucesso da primeira edição, do Wine Fest Porto, um evento do Luís Gradissimo que vale a pena, pela qualidade e consistência dos produtores. 300 referências de 11 regiões portuguesas estarão presentes num evento que se realiza entre as 15h00 e as 20h00, no Salão Nobre do edifício da Alfândega do Porto.

Para além das presenças (que estão aqui numa lista embaixo) A organização conta com outros motivos para levar os enófilos a ir lá, infelizmente esgotadas: Os apreciadores de vinhos que garantiram lugar, vão poder usufruir de três ‘Provas Especiais’: “Casa da Passarella – 125 Anos de História” (Dão); “Os segredos de Joaquim Arnaud” (Alentejo); e “Horácio Simões – Uma história à volta do Moscatel Roxo” (Península de Setúbal).

Neste dia o Wine Club Portugal comemora três anos de atividade e a data ficará assinalada com a apresentação da nova marca, que servirá também de assinatura às edições WINE FEST Lisboa e Porto, já a partir de 2018.

A entrada no evento tem o valor de 10€ e os bilhetes estão disponíveis na Ticketline, on-line e nos locais habituais como Fnac, Worten, El Corte Inglés ou Agências Abreu, por exemplo.

PRODUTORES PRESENTES NOWINE FEST 2017 PORTO
Vinho Verde: Vinho Verde Young Projects; Quinta do Ferro; Quinta do Regueiro, Pessoa Wines.
Douro: Pessoa Wines; Esmero; Quinta de Ventozelo; Vieira de Sousa; Quinta da Rede; Vinilourenço; Maçanita Vinhos; Dalva; Messias.
Vinho do Porto: Dalva; Messias; Blackett.
Trás-os-Montes : Casal Faria; Do Joa.
Bairrada Quinta dos Abibes; Casa de Saima; ; Quinta das Bágeiras; Messias.
Dão: Messias; Casa da Passarela; Quinta Vale do Cesto; Quinta de Lemos.
Beira Interior: Quinta do Cardo.
Tejo: Romana Vini.
Lisboa: Quinta de Pancas; Câmara Municipal de Oeiras – Carcavelos; Romana Vini; Joaquim Arnaud.
Península de Setúbal e Moscatel de Setúbal: Horácio Simões.
Alentejo: Herdade do Arrepiado Velho; Monte da Ravasqueira; Joaquim Arnaud; Vinha das Virtudes; Lima Mayer; Fita Preta Vinhos.

Marcas apostam no design

Este artigo reúne 3 produtos mas com uma característica: a aposta no design. Ou para vender mais no natal ou para dar um cunho mais signifcativo a uma imagem de marca.

Comecemos pela 100 Hectares. O último vinho deles, o Sousão, mantém os traços distintos de Miguel Freitas que assina o rótulo, a garrafa e a caixa do mais recente lançamento da marca do Douro, 100 Hectares Sousão. O rótulo segue a linha dos já criados para outras gamas da marca, mas para a embalagem houve necessidade de uma nova versão, uma vez que o objetivo era acolher duas garrafas.
Assim, a caixa apresenta um padrão em quadrados, dando continuidade aos rótulos, mas com textura em relevo.

Já a CARM lança duas caixas dirigidas ao Natal. Uma, para duas garrafas, dirigida ao vinho CARM Tinto. A outra, para o Reserva Tinto, individual. Sugerem prendas entre os 15 e os 20 euros, claro 🙂

 

 

Quinta Nova ganha prémio de enoturismo

O serviço de enorme qualidade associado à elegância dos vinhos apresentados na proposta de enoturismo da Quinta Nova foram reconhecidos pelo guia de luxo inglês Luxury Travel Guide através da atribuição do prémio Luxury Hotel & Winery Of The Year 2018. Esta distinção surge depois da prestigiada Conde Nast Traveller, revista também britânica, ter descrito a Quinta Nova Nossa Senhora do Carmo como a “Jóia escondida” do Douro, na edição especial do seu 20º aniversário.

O guia inglês Luxury Travel Guide reconhece os melhores em cada uma das categorias no segmento de luxo, com um alcance de mais de meio milhão de pessoas em todo o mundo, e representa o auge das conquistas do setor das viagens e turismo.

Luisa Amorim, administradora da Quinta Nova, afirma “É um enorme reconhecimento para a Quinta Nova ser distinguida pelo terceiro consecutivo por um guia com esta relevância no setor. Esta última atribuição é particularmente especial uma vez que valoriza a essência da proposta da Quinta Nova, exaltando o projeto no seu âmago, ou seja o casamento perfeito entre o mundo do vinho e do enoturismo.”

Jornadas de Enoturismo na Bairrada a 7 e 8 de Novembro

As sétimas Jornadas de Enoturismo realizam-se este ano na Bairrada, no Grande Hotel do Luso. Quatro painéis, algumas visitas e provas são face mais visível do evento, que é incluído na Semana do Enoturismo, que contempla acções nas cinco regiões vitivinícolas do Centro de Portugal.

O programa, que está disponível no site, bem como os oradores convidados, contempla quatro painéis, sobre a Sustentabilidade, Património, Enogastronomia e Termalismo, Saúde e Vinho. Caves como a Aliança, Messias, São João e Quinta do Encontro serão alguns dos locais visitados pelos participantes. Este tema será também o assunto do podcast de hoje e estaremos presentes no evento, durante os dois dias.

Um final de dia e noite com Luis Soares Duarte

A Garrafeira 5 Estrelas organizou mais uma prova na passada sexta-feira, dia 22, com a presença dos vinhos Gouvyas e do seu produtor e enólogo Luis Soares Duarte. E a prova transformou-se no já esperado. Uma volta pelo passado, presente e futuro de um projecto muito pessoal do João Roseira e do Luis Soares Duarte, com vinhos de um equilíbrio singular e que permitem o estágio em garrafa por largos anos… como pudemos comprovar num jantar informal que degustámos algumas relíquias.

Em prova estiveram
GOUVYAS TINTO 2007
GOUVYAS VINHAS VELHAS TINTO 2006
GOUVYAS RESERVA BRANCO 2003 1.5L
GOUVYAS ÂMBAR BRANCO 2010
GOUVYAS MOSCATEL GALEGO 2015
GOUVYAS TINTA FRANCISCA 2015
GOUVYAS TOURIGA FÊMEA 2015

E os ainda não engarrafados Viosinho e Clarete. O que marcou a prova, além da prosa fácil do enólogo, foi a acidez e o equilíbrio dos vinhos, sejam brancos e/ou tintos, aguentando por largos anos (os mais velhos, já com dez anos, ainda muito jovens) e os brancos a pedir que a degustação fosse “à mesa”.

Curiosamente, esse tema da longevidade dos mesmos, foi o motivo para uma discussão “à mesa” logo a seguir à prova. O leque foi o seguinte:

O resultado? O melhor vinho da noite foi o 2000 OP, seguido do 2000 “normal”, com o 2001 “já morto” e algum couro acentuado no mais velho. Uma grande prova, numa grande noite e um agradecimento ao Ceboleiros pela ementa. Deliciosa!

Um Wine Sunset 5 Estrelas!


O convite partiu do Casablanca, ao qual a Garrafeira 5 Estrelas se associou desde a primeira hora. E a Mercentro também. Palavra puxa palavra, distribuidor puxa produtor, e com eles muita, muita gente. Se juntarmos os petiscos do Chef Tony Martins e a música do Vasco Miguel, estava tudo pronto para um final de tarde muito bom na Vagueira.

E como o sol ajudou, a tradicional filosofia dos portugueses (onde se registam 3, podem ir 1 ou 5) fez com que o espaço se enchesse! Um pouco demais para quem queria estar calmamente a falar com produtores, mas a boa onda, bom som e bom vinho serviram para que tudo corresse pelo melhor.

Quanto aos vinhos (os petiscos estiveram em quantidade diminuta para a ocasião), houve dois ou três que estiveram em primeira mão na zona de Aveiro sendo um dos exemplos a Herdade da Mingorra que ainda é uma desconhecida (mas dará que falar) ou o Soito Wines, do Dão, e outros já eram velhos conhecidos dos presentes, mas que não podem deixar de estar, para gáudio de todos, como Quinta de Santiago, Piorro, Zé da Leonor, Ana Rola ou Adega de Cantanhede.

Um dos espaços que esteve em grande foi o Martha’s cujos cocktails e Porto Tónico divertiram os presentes. Em traços gerais, boa organização. Com ainda melhor tempo, vai ser necessário ir para o areal 🙂

Prova Vínica Ribafreixo Wines

Decorreu na passada sexta-feira a prova de vinhos habitual da Garrafeira 5 Estrelas, desta vez com vinhos da Ribafreixo Wines. É uma empresa ainda recente (faz 10 anos) e que junta a visão cosmopolita do seu fundador, Mário Pinheiro, cuja influência sul-africana, onde viveu, mostra-se no Chenin Blanc (Connections) ao conhecimento profundo do Nuno Bicó. apaixonado pelo rei Antão Vaz e outras castas. A marca mais sonante da casa é Gáudio, seguido dos Pato Frio e Barrancoa.

Mário Pinheiro e Nuno Bicó são os fundadores, Paulo Laureano dá a consultoria enológica, sendo a presença diária assegurada pelo enólogo Jorge Rebocho e Vitor Oliveira conjuga a componente comercial com um saber estar impecável!

Em três anos compraram 28 parcelas de terrenos abandonados, que transformaram numa propriedade única e uniforme à qual deram o nome de Herdade do Moinho Branco, com uma área de 114 hectares, juntinho à Vidigueira.

Provou-se:
PATO FRIO CASHMERE 2016
PATO FRIO ANTÃO VAZ 2016
PATO FRIO VERDELHO 2016
PATO FRIO GRANDE ESCOLHA ANTÃO VAZ 2015
PATO FRIO RED EDITION 2014
GÁUDIO VERDELHO 2016
GÁUDIO CLÁSSICO TINTO 2014
GÁUDIO RESERVA TINTO 2013
GÁUDIO VINHO LICOROSO 100% ANTÃO VAZ

José Carvalheira marca os seus 20 anos com Vigesimum

E quando um homem chega às 23 colheitas, surge… o vinho comemorativo das suas 20 vindimas!

Para José Carvalheira, a decisão de honrar as suas 20 vindimas com um vinho de homenagem, marcante, estava tomado. E também o tipo. Sair fora da sua zona de conforto, daquilo que ele gosta de fazer e ensinar: o espumante. Por isso, nunca poderia ser um vinho espumante. E com um histórico de geração e prémios, a ideia de fazer um vinho tinto ganhou força… Aquilo que José Carvalheira não estava a contar era com a vindima, difícil, de 2014. Quase que teve que arranjar um guarda-chuva para cada videira…

Mas no final, o esforço compensou e o seu trabalho de enólogo tem um produto que o honra para apresentar. Vigesimum, nome latino para a vigésima colheita que fez, esperou até 2017 para sair da adega e dar corpo ao vinho. Um vinho que, segundo o seu autor, irá dar mais daqui a uns anos mas que demonstra claramente o seu potencial desde já.

Vigesimum demonstra o nível, o estilo, a forma de estar de José Carvalheira. Um senhor dos espumantes que vai aos vinhos tintos ambicionar algo mais! Ouçam toda a história no video!

Caves Messias com enoturismo renovado

Uma loja moderna e condigna, um espaço multifacetado – que pode servir para prova ou exposições, e uma entrada directa para as labirinticas caves são algumas das novidades das Caves Messias, cuja inauguração oficial não deve tardar!

A convite das Caves Messias, nomeadamente do Miguel Pereira, estivemos a visitar o espaço, que está muito agradável. Convive perfeitamente com a estrutura actual mantendo a postura discreta da casa mas que revela no seu interior outra das caracteristicas deste espaço: qualidade e preços fantásticos.

Mal seja inaugurada, avisamos mas acho que nesta fase de soft opening, as Caves Messias já recebem visitantes, nomeadamente na loja!

E como os vinhos são muito gastronómicos e o grupo ia a seguir para o Velodromo, não podia faltar o inevitável repasto tipicamente bairradino!