Uma tarde fantástica a descobrir a casta BAGA – Em Prova Cega!

Cerca de duas dezenas de apaixonados estiveram recentemente em Aveiro, no Restaurante SALPOENTE (que, diga-se, nos recebeu como verdadeiros príncipes do vinho) para aprender e muito sobre a casta BAGA.

Não entrando em discussões sobre se nasceu na Bairrada ou no Dão ou nos dois, o trajecto que foi feito foi temerário: proporcionou-se aos presentes um verdadeiro teste aos sentidos – (re)conhecer a casta!

Deixou-se de lado os vinhos que “gritam” Bairrada por todo o lado, pelo estilo, pela força, pelos taninos. Fomos tentar descobrir onde é que temerários produtores plantam a casta fora da Bairrada. Demos espaço a alguns dos jovens que estão a reinterpretar a casta (ou como outros dizem, voltando a métodos antigos) e misturámos tudo!

Depois de uma alocução sobre a casta pela mão do grande Ataíde Semedo, o grupo, constituído por alguns tarimbados em provas cegas, variadíssimos neófitos nestes metiers e alguns enólogos ou profissionais do sector, teve que “suportar” estoicamente 18 vinhos, não sabendo se estavam a beber Bagas feitos na Bairrada ou fora dela.

É que o desafio também foi esse! Desde o início, o Magnum Wine Club/Bairrada Wine Passion, com o apoio dos Cegos por Provas, quis juntar TODOS os vinhos com casta BAGA criados fora da Bairrada com os Bagas da Nova Geração (ou feitos como os antigos).

Conseguiu-se um plantel de grande nível. Praticamente todos os produtores de fora da Bairrada estiveram presentes e alguns da Bairrada. Aqui ficam os nomes dos que aceitaram o nosso desafio.

Fita Preta (António Maçanita) do Alentejo: Adega Camolas e Quinta Brejinho da Costa, de Setúbal; das Terras de Sicó, o Monte Formigão; pela Beira Interior, a Quinta dos Termos e pelo Douro, a Quinta de Vale Meão.

O “plantel” da Bairrada compunha-se de Ares da Bairrada (Regateiro), Ataíde Semedo, Campolargo, Caves Messias, GIZ, Pedro Guilherme Andrade, Vadio e VPuro.

Em termos globais, foi muito interessante verificar as conversas entre os presentes, muitas vezes sem saberem qual a “região” dos vinhos – cada flight tinha vinhos que eram “ou da Bairrada” ou de fora da Bairrada” mas no global o que foi mais curioso, sem dúvida, foi o espanto sobre os estilos, as formas de fazer e de trabalhar a casta BAGA.

A prova foi sobretudo educativa e por isso não serão publicados os resultados gerais, apenas acessíveis aos produtores presentes e aos participantes. Queremos no entanto referi r que a qualidade global foi muito interessante, com a constância das classificações (1 ponto a separar mais de metade dos vinhos em prova numa escala 10-20) e algumas surpresas.

Poderemos, de qualquer forma, dar os parabéns a todos os produtores, referindo que os vinhos Monte Formigão 2015 (Terras de Sicó) e Comendador Costa Reserva 2014 foram os que mais agradaram no sector dos “fora da Bairrada enquanto que entre os participantes da Bairrada, alguns dos preferidos foram o Grande Vadio 2013, o Ataíde Semedo Grande Reserva 2015, o Vinho D’Anita 2015 (Ares da Bairrada) e o Giz Quinta das Cavaleiras.

Muitos ficaram agora rendidos a todos os Bagas, desde os clássicos a este tipo de produtos e acreditamos que, só por isso, a prova já tenha validado a pena!

Magnum Wine Radio 156 – Anadia volta a receber o Portugal Wine Trophy, em Maio!

E devido a isso, fomos entrevistar Jorge Sampaio que nos descreveu qual a valorização para os produtores portugueses e para a Bairrada desta região ser a capital dos jurados do Portugal Wine Trophy mais uma vez. No final de Maio, um dos grandes concursos mundiais regressa a terras portuguesas. Ouça o podcast para ficar a saber tudo!

Magnum Wine Radio 155 – Cinética, movimentos e albatrozes

Henrique Cizeron faz vinhos do novo mundo e do velho mundo. Ou será no novo velho mundo? Vinhos que voam como os albatrozes, vinhos que se movimentam como o Cinética? Desta dúvidas e certezas, a garantia que viajar para os antípodas alarga o conhecimento, e dai, o estilo. Fiquem com os vinhos por detrás do homem e enólogo/produtor por detrás da Cinética

Magnum Wine Radio 154 – Pedro Garcias – o jornalista que faz vinhos

Por vezes o jornalista entrevistador passa a entrevistado. Normalmente é o contrário mas pelo que poderão ouvir neste podcast, Pedro Garcias também se sente à vontade a falar. Sem papas na língua, como é seu timbre, Pedro Garcias fala com múltiplo conhecimento de causa. Porque é jornalista e critico de vinhos mas também é produtor. Fiquem com a entrevista, ouçam-no e pensem!

Magnum Wine Radio 153 – Nuno Cancela de Abreu, o senhor de Mortágua

Nuno Cancela de Abreu é um senhor do vinho. Experiência feita noutras regiões, quis fazer o “seu” projeto familiar na terra natal. Mortágua ficou uma terra de boas quintas e Nuno Cancela de Abreu conseguiu, passo a passo, solidificar uma marca que, recentemente, recebeu a coroa do reino – um Dão Nobre. E não quer parar por aqui. Fique com a história deste Senhor do Vinho, Nobre de Mortágua, pela voz do próprio.

Magnum Wine Radio 152 – Luís Patrão ou o Vadio orgulhoso da Bairrada

A 24 horas da prova cega de Bagas da antiga/nova geração e além fronteiras da Bairrada, fomos conversar um pouco com Luís Patrão sobre a sua produção bairradina, a que dá o nome de Vadio e que anda a vadiar pelas mesas bairradinas, em 3 conceitos diferentes – tinto (vadio e grande vadio), branco e espumante. Castas autóctones, conceito diferenciasor e um orgulho nos seus 4,5 hectares, Eis Luís Patrão em discurso directo.

Magnum Wine Radio 151 – João Afonso, o bailarino que nos dá baile nos vinhos.

João Afonso escreve sobre vinhos, é critico de vinhos, é autor de livros sobre vinhos, é produtor de vinhos. Ok, poderia ser o normal do dia a dia. Mas também é um excelente entrevistado. Porque teve uma vida para além desta vida (bailarino no Ballet Gulbenkian), um homem das artes que veio para o vinho dar-nos verdadeira arte engarrafada. E escrita.

Talvez das entrevistas para o podcast que mais gozou deu fazer, espero que tenham o mesmo prazer ao ouvi-la!

Magnum Wine Radio 150 – Maria João Almeida com novo livro e Enophilo Wine Fest em Lisboa

Neste episódio do podcast falamos de dois eventos diferentes. Lançamos o desafio aos enófilos lisboetas e não só para o Enophilo Wine Fest que se realiza em Lisboa e falamos igualmente sobre o novo livro de Maria João de Almeida.
No próximo dia 12 de abril, às 18h, vai ser apresentado o novo livro de Maria João de Almeida, “Vinho à Mesa. Treze Chefes, treze Regiões, 265 Vinhos”.
A originalidade desta obra reside no facto de ter sido dividida em 13 regiões vitivinícolas portuguesas, a que foi “atribuído” um chef por sorteio… João Rodrigues, Alexandre Silva, Henrique Sá Pessoa, Rui Paula, José Avillez, Miguel Castro e Silva, Diogo Rocha, Ricardo Costa, Justa Nobre, Leonel Pereira, Pedro Lemos, Vítor Sobral e Miguel Laffan, todos eles chefs talentosos e incontornáveis no panorama nacional, criaram pratos para alguns dos melhores vinhos das diversas regiões, que na maior parte dos casos não são as suas de origem. O resultado é um livro divertido e original, em que os vinhos harmonizam com os pratos, mas ao mesmo tempo ajudam a contar a História e as histórias do vinho português, dos clássicos aos produtores mais recentes.

Magnum Wine Radio 149 – Prova Cega dá a conhecer Bagas diferentes

Vai decorrer no próximo sábado, dia 14, em Aveiro, uma prova cega da casta BAGA.
O Magnum Wine Club/Bairrada Wine Passion, com o apoio dos Cegos por Provas, organiza a 14 de Abril de 2018 uma prova cega de vinhos da casta BAGA com características únicas: uma parte dedicada a TODOS os vinhos com casta BAGA criados fora da Bairrada (teremos presenças de norte a sul do país) e outra com os Bagas da Nova Geração (ou feitos como os antigos, poderemos discutir isso nesse dia).

Esta prova cega, essencialmente didáctica é a resposta a um desafio de enófilos amigos que comentam sempre o número de anos que um “Baga” necessita antes de estar bebível, algo que eu comentava que já existiam há anos esse tipo de vinhos. Mas agora há mais e mais produtores e queremos mostrar que a BAGA não é somente os grandes clássicos e casas grandiosas (mas essas também mostram que a evolução passa por todos).
O apoio dos Cegos por Provas passa pela experiência e garantia de qualidade que apresentaremos numa prova cega que vai dignificar a casta BAGA

Esta Prova Cega será realizada no Restaurante SALPOENTE, em Aveiro, espaço que permite uma multiplicidade de opções no transporte e no alojamento, caso seja necessário, no dia 14 de Abril, Sábado, às 15h. Estarão, no mínimo, 16 vinhos presentes, divididos nesses dois segmentos, que representarão bons exemplos do que se produziu com esta casta-rainha