Magnum Wine Radio 126 – A noite dos consagrados

A gala de entrega de prémios “os melhores de 2017” foram marcadas pelas bonitas homenagens a dois consagrados. Fernando Guedes (Sogrape) com o Prémio Homenagem e Francisco “Vito” Olazabal com o Prémio Personalidade do Ano. Fica aqui o discurso de agradecimento de Vito Olazabal e no podcast, para além da relação de todos os vencedores e de alguns opiniões pessoais, fica a entrevista possível a Vito Olazabal.

Aqui estão os Melhores do Ano 2017 – Prémio Revista de Vinhos

Aqui fica a lista dos que são considerados os “Óscares” do vinho e da gastronomia em Portugal e que foram entregues, numa gala realizada ontem na Alfândega do Porto pela publicação especializada Revista de Vinhos, que entregou troféus a 23 grandes protagonistas destas áreas, na 21ª edição do certame.

“Os Melhores do Ano 2017”

HOMENAGEM
Fernando Guedes (Sogrape)

PERSONALIDADE DO ANO NO VINHO
Francisco “Vito” Olazabal (Quinta do Vale Meão, Douro)

VINHO DO ANO
Mouchão Tonel 3-4 2011 (Alentejo)

PRODUTOR DO ANO
Quinta da Fata (Dão)

PRODUTOR DE VINHOS FORTIFICADOS DO ANO
Henriques & Henriques (Madeira)

PRODUTOR REVELAÇÃO DO ANO
Quinta da Serradinha (Lisboa, Encostas D’Aire)

EMPRESA DO ANO
Casa Santos Lima (Alentejo)

MARCA DO ANO
Mateus Rosé (Douro)

ENÓLOGO DO ANO
Luís Sottomayor (Sogrape)

ENÓLOGO REVELAÇÃO DO ANO
Nuno Gonzalez (Herdade da Malhadinha Nova, Alentejo)

SOMMELIER / WINE DIRECTOR DO ANO
Sérgio Marques (Il Gallo d’Oro, Madeira)

INOVAÇÃO / INVESTIGAÇÃO DO ANO
Esporão (Alentejo)

ENOTURISMO DO ANO
Vila Galé Clube de Campo (Alentejo)

LOJA / GARRAFEIRA DO ANO
Garrafeira Nacional (Lisboa)

DISTRIBUIDOR DO ANO
Portfolio Vinhos

PERSONALIDADE DO ANO NO BRASIL
Marcelo Lima (empresário, produtor de vinhos nas regiões do Douro e dos Vinhos Verdes)

PERSONALIDADE DO ANO NA GASTRONOMIA
Ljubomir Stanisic (100 Maneiras, Lisboa)

RESTAURANTE GASTRONÓMICO DO ANO
Feitoria (Lisboa)

RESTAURANTE COM MELHOR SERVIÇO DE VINHOS DO ANO
Enoteca de Belém (Lisboa)

CHEFE DE COZINHA DO ANO
Ricardo Costa (The Yeatman, Vila Nova de Gaia)

CHEFE REVELAÇÃO DO ANO
Vasco Coelho Santos (Euskalduna, Porto)

PRODUTOR ARTESANAL DO ANO
Neptun (Faralhão, Estuário do Sado)

DESTINO GASTRONÓMICO DO ANO
Matosinhos

BAR DO ANO
Red Frog (Lisboa)

Foram avaliados mais de 3500 produtos, projetos, negócios e personalidades segundo Nuno Pires, diretor da Revista de Vinhos.

Magnum Wine Radio 125 – Um ano de podcast :) E hoje há os prémios Revista de Vinhos

Este podcast surgiu há um ano. Desafiado por um amigo, de uma rádio online, a RVN, o Magnum Wine Radio tem tentado dar a conhecer os enólogos, os vinhos, as estórias, as novidades, um pouco de tudo o que se passa no mundo do vinho. Espero que estejam a gostar e continuem por ai… 🙂

Hoje, quase para comemorar, estaremos presentes no Jantar de Entrega de Prémios da Revista de Vinhos. Um pouco mais velha, já que vai para a 21ª edição, esta entrega de prémios é também um dos grandes momentos alto do ano vínico nacional.

Magnum Wine Radio 124 – Luis Lopes, o Dão, o Ribatejo natal e a nova vida!

António Madeira, à esquerda e Luis Lopes, o enólogo.

Luís Lopes é um nome ainda pouco conhecido no meio vínico. Será uma das futuras certezas mas ainda é uma revelação. Já fez vindimas no novo e no velho mundo mas há quase dez anos que está com a mente no Dão, onde marcou, de determinada forma, a Quinta da Pellada. Mais recentemente, colabora com António Madeira (na foto) e lança~se, em 2018, para outras aventuras. E no podcast de hoje fica o gostinho de fazer algo diferente… no seu Ribatejo natal. Luís Lopes, o enólogo, em discurso quase directo.

Magnum Wine Radio 123 – António Madeira e o Dão clássico no seu regresso a Portugal

António Madeira vivia em França, onde, como engenheiro, fazia a sua vida profissional de forma desafogada e financeiramente estável. Mas o bichinho dos vinhos do “passado”, de vinhos da sua meninice, não se tinha perdido, estava entranhado em si.

E em 2018 encontramos um António Madeira já em Portugal definitivamente, continuando apaixonado pelo que faz, com um leque de vinhos diferente e com vinhos que continuam a ser à sua imagem!

Magnum Wine Radio 122 – Estórias de um Capítulo sobre Bacalhau

A Confraria Gastronómica do Bacalhau nasceu em Ílhavo em 1999 e por isso já conta com 19 anos, e consequentemente, 19 Capítulos, a tradicional refeição anual de grande partilha entre os apaixonados das várias confrarias e dos sabores tradicionais do país.

Mais de centena e meia deles reuniram-se no Museu Marítimo, para assistir à entronização de 4 confrades de honra e 1 efectivo e depois rumaram ao Hotel de Ílhavo onde aconteceu o repasto. Pelo meio, uma visita, em jeito de homenagem, ao Aquário dos Bacalhaus… Foi tipo, para abrir o apetite.

Ao longo dos vários momentos, o Bacalhau foi omnipresente. Pataniscas, punheta, cara, bola, pasteis, bolos de bacalhau, até bolinhos em formato do gadus morhua (espalmado) apareceram… 🙂

Como vêem, a lista do repasto foi muito interessante. Ficámos deliciados com tudo, embora como da região, os sabores já eram por demais conhecidos.

Para o podcast, o nosso convidado foi João da Madalena, o grão mestre da confraria e fomos perguntar também a uma confreira de Valongo o que ela tinha achado. Tudo pelo Bacalhau, o nosso fiel amigo!

Magnum Wine Radio 121 – Ainda sobre o estudo dos vinhos da Bairrada

Se ainda não teve a oportunidade de ler sobre o estudo que organizei sobre as notas dadas pelos criticos portugueses aos vinhos da Bairrada, eis aqui a continuação da descrição das notas, criticas e dados mais relevantes. Ouça em podcast ou então… leia o estudo de forma completa!

Magnum Wine Radio 120 – A entrevista de Anselmo Mendes prestes a chegar aos 30 anos de vindimas.

O decorrer do ano de 2018 vai ser especial para Anselmo Mendes. Abriu a empresa em nome próprio há 20 anos mas já tinha começado nas vindimas há 30. Anselmo Mendes nasceu e cresceu em Monção. Foi aí que desde criança se familiarizou com a cultura da vinha e a produção do vinho. A casta Alvarinho e o seu vinho, ali produzidos entraram desde logo na sua vida, de tal maneira que hoje Anselmo Mendes e Alvarinho se confundem. Licenciou-se em Engenharia Agro-Industrial em 1987, pelo Instituto Superior da Universidade Técnica de Lisboa, e pós-graduou-se em Enologia pela Universidade Católica seis anos depois.

Neste podcast pode saber quais os vinhos dele que levava para uma ilha deserta (3 alvarinhos bem diferentes, claro) e o que está a congeminar para as comemorações do duplo aniversário. Uma entrevista a não perder.

Dois músicos e duas entidades serão os novos Confrades de Honra da Confraria do Bacalhau!

Quase quase nos 20 anos, que serão, estou certo, comemorados no próximo ano com pompa e circunstância, a Confraria Gastronómica do Bacalhau irá organizar, mais uma vez, o seu famoso Capítulo, neste caso o 19º este sábado, entre o Museu, Aquário dos Bacalhaus e Hotel de Ílhavo.

Para confrades de honra escolheram dois campos diferentes: o musical e o institucional. Capitania e Porto de Aveiro são duas grandes entidades que farão parte da lista de honra da Confraria, mas que serão sonoramente bem acompanhadas por Paulo de Carvalho e pelo brasileiro Ivan Lins, os outros dois entronizados como Confrades de Honra. Serão quatro grandes nomes a galardoar amanhã.

O programa é o “habitual”. Recepção e Entronização no Museu Marítimo de Ílhavo, passagem pelo aquário dos bacalhaus para “homenagem ao dito” e cortejo e foto até ao Hotel de Ílhavo. Quanto ao repasto (pois afinal este blog é eno-eno-eno-gastronómico) todas as variantes do fiel amigo estarão presentes:  as pataniscas na Patanisca de Honra, os bolos, a punheta, os samos e as carinhas fritas nas entradas e a chora, feijoada de samos e o bacalhau à confraria como pratos principais. Depois mostramos as fotos 🙂

Os bons vinhos e espumantes da região deverão ser, mais uma vez, o equilíbrio indispensável a este repasto!

Os melhores vinhos de 2017 da Bairrada… segundo os críticos!

Um estudo Magnum Wine Club / BairradaWinePassion determinou os melhores vinhos da Bairrada para os críticos portugueses. E as conclusões são agridoces para os produtores desta grandiosa região.

Fazer uma avaliação de um vinho baseado nas opções de somente um crítico é sempre falível. Por muita consideração que tenho por qualquer um dos críticos, poderá haver condicionantes (zangas entre produtores e críticos, gosto pessoal, ser prova cega ou não) que façam com que o exercício solitário da avaliação seja, como referi, solitário e exclusivo. E também por isso, embora tendo opinião pessoal, recuso-me a fazer notas sobre os vinhos. Poderei, eventualmente, fazer listas dos vinhos que me apaixonaram, harmonizaram melhor, os de um determinado evento mas não dar notas absolutas de prova quando nem as condições são as melhores.

Entendi por isso, pegar nos críticos portugueses da imprensa especializada e em avaliadores regulares de vinhos para analisar como se comporta a Bairrada em geral, e os vinhos e os seus produtores em particular. E a imagem poderia ser bem mais bonita, o que comprova que ainda falta muito por fazer.

Para avaliar quais os melhores vinhos provados em 2017, temos que fazer duas tabelas: uma absoluta (que pessoalmente desconsidero em relação à outra) e outra em que apenas colocamos os vinhos provados por mais do que uma revista. Entendemos ser esta última mais JUSTA. Também avaliei as preferências pessoais de cada um dos críticos/revistas, nas tabelas que estão apresentadas no final do texto.

A segunda tabela, que como refiro, considero injusta, como poderão notar nas tabelas das revistas, é a seguinte:

Quanto a tendências e conclusões, aqui ficam:

  • Sendo a primeira vez que um comparativo destes é feito, referir que houve 232 vinhos analisados ao longo do ano é sempre uma análise subjectiva. Depende do trabalho de comunicação das empresas e da Comissão, depende da sugestão de temas e depende igualmente do que os produtores lançam para o mercado e querem ver promovido. As médias são o que são mas tendo em conta que há 40 produtores com vinhos analisados, dá uma média de 6 referências por cada um…
  • Segundo facto: 40 produtores com vinhos analisados. Destes, metade tiveram 4 ou menos referências analisadas. Podemos concluir duas coisas díspares: são somente 40 por cento dos associados da CVR Bairrada mas, pelo lado positivo, são o mesmo número de empresas que todos os anos estão na Feira do sector que se realiza no Velódromo.
  • Destes 232 vinhos, houve 137 analisados pelo João Paulo Martins (quase 60 por cento do total); 70 pela Revista de Vinhos; 60 pela Paixão pelo Vinho e 53 pela Vinho Grandes Escolhas (prejudicada nestas contas por não ter sido o ano inteiro…). Impressionante como os produtores escolhem por ignorar ou não aparecem notas de prova no FUGAS do Público, que ao longo do ano analisa mais de 300 vinhos e destes, apenas 7 foram Bairrada. Igual tendência no Fernando Melo (Evasões) e Aníbal Coutinho).
  • Estes números provam que os produtores da Bairrada, na sua generalidade, ou não querem mandar ou não sabem como mandar os seus vinhos para avaliação. É sintomático que o João Paulo Martins, que manda um email e solicita apoio à CVR consiga avaliar em 2017 o mesmo que as principais revistas… juntas.
  • Nota-se que há produtores que não se relacionam com certos críticos ou revistas. É tão evidente que nem vou fazer comentários em relação a isso. Cada um sabe da sua casa mas num modelo em que o vinho só aparece publicado se tiver nota 15 ou superior, estranha fica esta questão. Optei por não incluir os dados em bruto, estando disponível para conversar com quem pretender mais dados.
  • De louvar a dinâmica de Carlos Campolargo. Em diversas revistas, foram analisadas 23 referências da casa Campolargo, um destaque que lhe deu tempo de antena em todas as revistas e críticos da especialidade.

As casas que mais provas enviam, que usam mais esta ferramenta são a Aliança Vinhos de Portugal (o Aliança Reserva Tinto fez o pleno e foi analisado em todas as revistas e críticos), sendo Campolargo, São João e São Domingos igualmente versáteis a mandar. Casa de Saima, Messias e Adega de Cantanhede recebem menções honrosas nesse aspecto.

  • Não há qualquer relação entre ser grande ou pequeno e o número de críticas. Há casas que não mandam ou quase não mandam produtos para análise sendo empresas que produzem em grande quantidade e/ou ao mesmo tempo, recebendo outro tipo de prémios.
  • Há produtores que, pura e simplesmente, não enviam vinhos para análise nas revistas portuguesas. Vadio, Caves da Montanha e Filipa Pato são alguns exemplos, e esta última só apareceu numa reportagem na Vinho Grandes Escolhas – as notas dos vinhos são do guia de João Paulo Martins. Foz de Arouce e Luís Pato são outros casos. Em todos estes, a forte aposta no estrangeiro ajuda a perceber a opção.

É importante analisar também que a Bairrada é caracterizada pela preponderância de empresas de pequeno porte, com gestão familiar, o que poderá alterar a forma como se pensa na comunicação dos vinhos e no seu envio para análise.

Por fim, quero também lembrar que muitas das empresas da Bairrada ainda trabalham para um segmento de preço baixo (com produtos de qualidade interessantíssima para o preço apresentado) e entendem que os seus produtos não vão ser analisados devido a isso. Mas há bons exemplos do contrário, como poderei demonstrar a quem pretender.

Em relação à metodologia descrita abaixo, quero apenas realçar alguns pormenores. Optei, à falta de uma validação própria como a tabela da Decanter (de comparação entre notas 50-100 e notas 10-20) por fazer apenas a redução matemática, algo sempre criticável. Também poderão perguntar porque me centrei apenas em notas portuguesas. Simples… este estudo é para o mercado português, para o consumidor português. Desejo tudo de bom para as marcas exportadoras da Bairrada.

O estudo / ranking Magnum Wine Club / BairradaWinePassion 2017 tem por base os vinhos com denominação de origem Bairrada ou de produtores reconhecidos na Bairrada que submeteram garrafas suas a análise crítica de meios de comunicação social e críticos com publicações regulares. Foram escolhidas a Paixão pelo Vinho (nº67 a 70) referentes a 2017, Wine (a última edição), Revista de Vinhos e Vinho Grande Escolhas, Fugas, Evasões e os livros Copo e Alma de Aníbal Coutinho (só com 363 referências) e o guia do João Paulo Martins 2018.  Todas as marcas registadas são propriedade dos seus autores/produtores tendo este estudo sido realizado usando somente dados públicos, propriedade intelectual das revistas.

Os factos são factos, as conclusões são da minha inteira responsabilidade.

Aveiro, 15 de Janeiro de 2018

João Manuel Oliveira

jmo@magnumwineclub.com