Conheça aqui a listagem dos vencedores da Confraria dos Enófilos da Bairrada

Aqui fica a lista dos premiados do XXXVIII CONCURSO DE VINHOS DA CONFRARIA DOS ENÓFILOS DA BAIRRADA dados a conhecer na sexta-feira passada. Não esquecer, para os enófilos menos conhecedores da Bairrada, que estes vinhos estão em “primor” com excepção dos vinhos já identificados como fazendo parte de produtos finais (caso do São Domingos 2017 ou do Baga/Pinot do Poço do Lobo). Isto é, daqui por alguns anos é que conhecerão os vencedores dos tintos 🙂

TINTOS
1º – ADEGA DE CANTANHEDE – Lote de 50 Barricas

2º – CASA DO CANTO – Depósito 23

3º – QUINTA DA AGUIEIRA – Pipo 11

BRANCOS
1º – CASA DE SAIMA – Lote de Barricas

2º – CAVES SÃO DOMINGOS – São Domingos 2017

3º – ADEGA DE CANTANHEDE – Depósito 3

ROSÉS
1º- QUINTA DA MATA FIDALGA – Blush Rosé

2º – CAVES SÃO JOÃO – Quinta do Poço do Lobo Baga/Pinot Noir

3º – CAVE CENTRAL DA BAIRRADA – Depósito 7

Magnum Wine Radio 165 – E os premiados do Concurso Vinhos de Portugal são…

Um Beira Atlântico de um jovem produtor bairradino – Flutt Espumante Branco 2015 foi o vencedor, na categoria de “melhor espumante” do concurso de “Vinhos de Portugal” da ViniPortugal. Um total de 369 medalhas, das quais 36 na categoria Grande Ouro, 126 de Ouro e 207 de Prata atestam a excelência do vinho nacional para um total de mais de 1300 vinhos enviados a concurso – mais concretamente 1307 vinhos, produzidos por 372 agentes económicos. O Douro foi a região que recebeu mais medalhas Grande Ouro do júri, recolhendo 7 medalhas, seguindo-se a região do Dão, com 6 medalhas, e Alentejo, com 5 medalhas.

Os vencedores foram conhecidos na passada sexta-feira à noite, dia 18 de Maio, na gala de entrega de prémios do Concurso Vinhos de Portugal, que se realizou no Convento do Beato, e que contou com a presença do ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, e do secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira.

Os grandes prémios do Concurso Vinhos de Portugal, que distinguem os melhores entre os 369 vinhos premiados, foram distribuídos pelas regiões Porto e Douro, Alentejo, Vinhos Verdes, Tejo, Beira Atlântico e Minho:

• “O Melhor do Ano”
Touriga Nacional Tinto (2015) | DOP Douro | Produtor: Quinta do Crasto, S.A

• “O Melhor do Ano Licoroso”
DR Porto 30 Anos | DOP Licoroso Porto | Produtor: Agri-Roncão Vinícola Lda.

• “O Melhor do Ano Varietal Tinto”
Touriga Nacional Tinto (2015) | DOP Douro | Produtor: Quinta do Crasto, S.A.

• “O Melhor do Ano Branco Especial”
Falcoaria Late Harvest (2014) | DOP do Tejo | Produtor: Casal Branco Sociedade de Vinhos S.A.

• “O Melhor do Ano Varietal Branco”
Alvarinho Deu La Deu Premium (2015) | DOP Vinhos Verdes | Produtor: Adega Cooperativa e Regional de Monção, CRL
• “O Melhor do Ano Varietal Branco”
Aveleda Reserva da Família Alvarinho (2016) | IGP Minho | Produtor: Aveleda, S.A.

• “O Melhor do Ano Vinho Tinto”
Passadouro Reserva Tinto (2015) | DOP Douro | Produtor: Quinta do Passadouro Sociedade Agrícola Lda

• “O Melhor do Ano Vinho Branco”
Private Selection Branco (2016) | IGP Alentejano | Produtor: Esporão Vendas & Marketing

• “O Melhor do Ano Espumante”
Flutt Branco Espumante (2015) | IGP Beira Atlântico | Produtor: PositiveWine Lda.

A lista completa pode ser encontrada aqui

Jorge Monteiro, presidente da ViniPortugal, faz um balanço positivo da edição 2018 do Concurso Vinhos de Portugal. “O Concurso Vinhos de Portugal constitui uma oportunidade de excelência para a promoção da marca Vinhos de Portugal/Wines of Portugal. Ao longo de uma semana são criadas oportunidades para dar a conhecer junto de especialistas internacionais a diversidade de vinhos de qualidade que Portugal produz, não só através dos momentos de avaliação do Concurso mas também através do contacto direto com os agentes económicos, em jantares vínicos e visitas a produtores, bem como com a realização de master classes dedicadas ao vinho português”.

À semelhança das edições anteriores, o Concurso Vinhos de Portugal 2018 teve uma primeira fase, realizada no CNEMA, em Santarém, na qual cada vinho foi apreciado em prova cega por um júri composto por especialistas em vinhos, nacionais e internacionais, entre enólogos, jornalistas, sommeliers e outras entidades ligadas ao vinho. Com base nas escolhas feitas na 1.ª fase do Concurso, o Grande Júri, composto por John Szabo MS (Canadá), Evan Goldstein (EUA), Dirceu Vianna Junior MW (Brasil e Reino Unido), Andrés Rosberg, presidente da ASI (International Sommelier Association) e por Luís Lopes, presidente do Concurso, e Bento Amaral em representação de Portugal, escolheram os grandes vencedores do Concurso Vinhos de Portugal, atribuindo as medalhas Grande Ouro e os Melhores do Ano.

Magnum Wine Radio 164 – Uma noite magnífica na III Gala Gastronómica da Bairrada

O Hotel Paraíso recebeu, mais uma vez, a Gala Gastronómica da Bairrada. Terceiro momento de um evento que, trimestre a trimestre, tem conseguindo aumentar a qualidade e animar os muitos presentes que têm enchido a sala do Hotel Paraíso, em Oliveira do Bairro.

Nesta terceira gala os produtores presentes – Argau, Caves Primavera, Quinta do Alvadeo, Quinta dos Abibes, Quinta da Lagoa Velha – mostraram-se de grande nível e a conversa que decorreu no pós-jantar (e que está disponível neste podcast – com a excepção das Caves Primavera, que não estiveram presentes) mostrou produtores que estão apaixonados pela região, preocupados com o caminho a seguir, e entusiasmados com os seus produtos.

A anteceder a refeição os produtores presentes deram a possibilidade de provarmos 5 espumantes. Cada um ao seu estilo, permitiu começar muito bem a noite, que se adivinhava com muitas curiosidades.

De seguida, iniciou-se o desfile dos cinco pratos – como sempre, são cinco chefes, cinco vinhos, todos da região. Começou o chef Bruno Barradas, com a entrada que foi acompanhada pelo espumante da Quinta do Alvadeo, de Marcos Gala

De seguida, o Chef Vitor Fontes deu-nos a provar uma Espuma de Bacalhau, prato acompanhado do vinho Tagarela, da Quinta da Lagoa Velha.

O chef Luis Vidal arriscou  num robalo corado em pistácio com risotto de berbigão e cogumelos, sendo o vinho escolhido para acompanhar o Quinta dos Abibes Sauvignon Blanc 2016

A proprietária e cozinheira Ilda da Maia presenteou os presentes com um Arroz de Cabidela de Leitão à Terraço do Paraiso que foi acompanhado pelo Special Selection 2015 das Caves Primavera.

Por fim, e na sobremesa, o chef pasteleiro Rui Jesus apresentou o Gran Certima acompanhado do espumante Argau, de Adelino Teixeira.

 

Como sempre, houve outras novidades: mais um brilhante bolo – excelente concepção – e um bombom formidável criado com espumante da Bairrada foram novidades oferecidas a todos os presentes

A próxima gala está, desde já, marcada para o dia 11 de Agosto, em pleno Verão e todos aguardamos pelas novidades. Em jeito de conclusão, refiro que os vinhos propostos estiveram globalmente bem – o Sauvignon Blanc dos Abibes e o espumante Argau foram os mais interessantes mas como disse todos estiveram bem. Claro que nas harmonizações, dado que foram os chefs a escolher os vinhos, há os quese mostram mais adequados que outros mas foi uma Gala a recordar!!!

Magnum Wine Radio 159 – Rui Lucas, o Prior de Souselas e do Botão!

Querem saber porque é que o vinho feito por Rui Lucas na zona de Souselas e Botão tem como nome Prior Lucas? E porque usa garrafas negras? E qual a aposta mais recente da marca?

Pronto, se quer saber isso tudo é porque é interessado na marca Prior Lucas. Ou neste podcast 🙂 De qulquer forma, basta ouvir a entrevista e fica a saber todas as respostas… e mais algumas coisas 🙂

Uma tarde fantástica a descobrir a casta BAGA – Em Prova Cega!

Cerca de duas dezenas de apaixonados estiveram recentemente em Aveiro, no Restaurante SALPOENTE (que, diga-se, nos recebeu como verdadeiros príncipes do vinho) para aprender e muito sobre a casta BAGA.

Não entrando em discussões sobre se nasceu na Bairrada ou no Dão ou nos dois, o trajecto que foi feito foi temerário: proporcionou-se aos presentes um verdadeiro teste aos sentidos – (re)conhecer a casta!

Deixou-se de lado os vinhos que “gritam” Bairrada por todo o lado, pelo estilo, pela força, pelos taninos. Fomos tentar descobrir onde é que temerários produtores plantam a casta fora da Bairrada. Demos espaço a alguns dos jovens que estão a reinterpretar a casta (ou como outros dizem, voltando a métodos antigos) e misturámos tudo!

Depois de uma alocução sobre a casta pela mão do grande Ataíde Semedo, o grupo, constituído por alguns tarimbados em provas cegas, variadíssimos neófitos nestes metiers e alguns enólogos ou profissionais do sector, teve que “suportar” estoicamente 18 vinhos, não sabendo se estavam a beber Bagas feitos na Bairrada ou fora dela.

É que o desafio também foi esse! Desde o início, o Magnum Wine Club/Bairrada Wine Passion, com o apoio dos Cegos por Provas, quis juntar TODOS os vinhos com casta BAGA criados fora da Bairrada com os Bagas da Nova Geração (ou feitos como os antigos).

Conseguiu-se um plantel de grande nível. Praticamente todos os produtores de fora da Bairrada estiveram presentes e alguns da Bairrada. Aqui ficam os nomes dos que aceitaram o nosso desafio.

Fita Preta (António Maçanita) do Alentejo: Adega Camolas e Quinta Brejinho da Costa, de Setúbal; das Terras de Sicó, o Monte Formigão; pela Beira Interior, a Quinta dos Termos e pelo Douro, a Quinta de Vale Meão.

O “plantel” da Bairrada compunha-se de Ares da Bairrada (Regateiro), Ataíde Semedo, Campolargo, Caves Messias, GIZ, Pedro Guilherme Andrade, Vadio e VPuro.

Em termos globais, foi muito interessante verificar as conversas entre os presentes, muitas vezes sem saberem qual a “região” dos vinhos – cada flight tinha vinhos que eram “ou da Bairrada” ou de fora da Bairrada” mas no global o que foi mais curioso, sem dúvida, foi o espanto sobre os estilos, as formas de fazer e de trabalhar a casta BAGA.

A prova foi sobretudo educativa e por isso não serão publicados os resultados gerais, apenas acessíveis aos produtores presentes e aos participantes. Queremos no entanto referi r que a qualidade global foi muito interessante, com a constância das classificações (1 ponto a separar mais de metade dos vinhos em prova numa escala 10-20) e algumas surpresas.

Poderemos, de qualquer forma, dar os parabéns a todos os produtores, referindo que os vinhos Monte Formigão 2015 (Terras de Sicó) e Comendador Costa Reserva 2014 foram os que mais agradaram no sector dos “fora da Bairrada enquanto que entre os participantes da Bairrada, alguns dos preferidos foram o Grande Vadio 2013, o Ataíde Semedo Grande Reserva 2015, o Vinho D’Anita 2015 (Ares da Bairrada) e o Giz Quinta das Cavaleiras.

Muitos ficaram agora rendidos a todos os Bagas, desde os clássicos a este tipo de produtos e acreditamos que, só por isso, a prova já tenha validado a pena!

Magnum Wine 157 – O Relato da grande tarde de BAGA em Aveiro

Ouça aqui tudo o que se passou na prova cega dos Bagas da antiga/nova geração da Bairrada e além fronteiras.

Magnum Wine Radio 156 – Anadia volta a receber o Portugal Wine Trophy, em Maio!

E devido a isso, fomos entrevistar Jorge Sampaio que nos descreveu qual a valorização para os produtores portugueses e para a Bairrada desta região ser a capital dos jurados do Portugal Wine Trophy mais uma vez. No final de Maio, um dos grandes concursos mundiais regressa a terras portuguesas. Ouça o podcast para ficar a saber tudo!

Magnum Wine Radio 152 – Luís Patrão ou o Vadio orgulhoso da Bairrada

A 24 horas da prova cega de Bagas da antiga/nova geração e além fronteiras da Bairrada, fomos conversar um pouco com Luís Patrão sobre a sua produção bairradina, a que dá o nome de Vadio e que anda a vadiar pelas mesas bairradinas, em 3 conceitos diferentes – tinto (vadio e grande vadio), branco e espumante. Castas autóctones, conceito diferenciasor e um orgulho nos seus 4,5 hectares, Eis Luís Patrão em discurso directo.

Magnum Wine Radio 151 – João Afonso, o bailarino que nos dá baile nos vinhos.

João Afonso escreve sobre vinhos, é critico de vinhos, é autor de livros sobre vinhos, é produtor de vinhos. Ok, poderia ser o normal do dia a dia. Mas também é um excelente entrevistado. Porque teve uma vida para além desta vida (bailarino no Ballet Gulbenkian), um homem das artes que veio para o vinho dar-nos verdadeira arte engarrafada. E escrita.

Talvez das entrevistas para o podcast que mais gozou deu fazer, espero que tenham o mesmo prazer ao ouvi-la!

Magnum Wine Radio 149 – Prova Cega dá a conhecer Bagas diferentes

Vai decorrer no próximo sábado, dia 14, em Aveiro, uma prova cega da casta BAGA.
O Magnum Wine Club/Bairrada Wine Passion, com o apoio dos Cegos por Provas, organiza a 14 de Abril de 2018 uma prova cega de vinhos da casta BAGA com características únicas: uma parte dedicada a TODOS os vinhos com casta BAGA criados fora da Bairrada (teremos presenças de norte a sul do país) e outra com os Bagas da Nova Geração (ou feitos como os antigos, poderemos discutir isso nesse dia).

Esta prova cega, essencialmente didáctica é a resposta a um desafio de enófilos amigos que comentam sempre o número de anos que um “Baga” necessita antes de estar bebível, algo que eu comentava que já existiam há anos esse tipo de vinhos. Mas agora há mais e mais produtores e queremos mostrar que a BAGA não é somente os grandes clássicos e casas grandiosas (mas essas também mostram que a evolução passa por todos).
O apoio dos Cegos por Provas passa pela experiência e garantia de qualidade que apresentaremos numa prova cega que vai dignificar a casta BAGA

Esta Prova Cega será realizada no Restaurante SALPOENTE, em Aveiro, espaço que permite uma multiplicidade de opções no transporte e no alojamento, caso seja necessário, no dia 14 de Abril, Sábado, às 15h. Estarão, no mínimo, 16 vinhos presentes, divididos nesses dois segmentos, que representarão bons exemplos do que se produziu com esta casta-rainha