Os melhores vinhos de 2017 da Bairrada… segundo os críticos!

Um estudo Magnum Wine Club / BairradaWinePassion determinou os melhores vinhos da Bairrada para os críticos portugueses. E as conclusões são agridoces para os produtores desta grandiosa região.

Fazer uma avaliação de um vinho baseado nas opções de somente um crítico é sempre falível. Por muita consideração que tenho por qualquer um dos críticos, poderá haver condicionantes (zangas entre produtores e críticos, gosto pessoal, ser prova cega ou não) que façam com que o exercício solitário da avaliação seja, como referi, solitário e exclusivo. E também por isso, embora tendo opinião pessoal, recuso-me a fazer notas sobre os vinhos. Poderei, eventualmente, fazer listas dos vinhos que me apaixonaram, harmonizaram melhor, os de um determinado evento mas não dar notas absolutas de prova quando nem as condições são as melhores.

Entendi por isso, pegar nos críticos portugueses da imprensa especializada e em avaliadores regulares de vinhos para analisar como se comporta a Bairrada em geral, e os vinhos e os seus produtores em particular. E a imagem poderia ser bem mais bonita, o que comprova que ainda falta muito por fazer.

Para avaliar quais os melhores vinhos provados em 2017, temos que fazer duas tabelas: uma absoluta (que pessoalmente desconsidero em relação à outra) e outra em que apenas colocamos os vinhos provados por mais do que uma revista. Entendemos ser esta última mais JUSTA. Também avaliei as preferências pessoais de cada um dos críticos/revistas, nas tabelas que estão apresentadas no final do texto.

A segunda tabela, que como refiro, considero injusta, como poderão notar nas tabelas das revistas, é a seguinte:

Quanto a tendências e conclusões, aqui ficam:

  • Sendo a primeira vez que um comparativo destes é feito, referir que houve 232 vinhos analisados ao longo do ano é sempre uma análise subjectiva. Depende do trabalho de comunicação das empresas e da Comissão, depende da sugestão de temas e depende igualmente do que os produtores lançam para o mercado e querem ver promovido. As médias são o que são mas tendo em conta que há 40 produtores com vinhos analisados, dá uma média de 6 referências por cada um…
  • Segundo facto: 40 produtores com vinhos analisados. Destes, metade tiveram 4 ou menos referências analisadas. Podemos concluir duas coisas díspares: são somente 40 por cento dos associados da CVR Bairrada mas, pelo lado positivo, são o mesmo número de empresas que todos os anos estão na Feira do sector que se realiza no Velódromo.
  • Destes 232 vinhos, houve 137 analisados pelo João Paulo Martins (quase 60 por cento do total); 70 pela Revista de Vinhos; 60 pela Paixão pelo Vinho e 53 pela Vinho Grandes Escolhas (prejudicada nestas contas por não ter sido o ano inteiro…). Impressionante como os produtores escolhem por ignorar ou não aparecem notas de prova no FUGAS do Público, que ao longo do ano analisa mais de 300 vinhos e destes, apenas 7 foram Bairrada. Igual tendência no Fernando Melo (Evasões) e Aníbal Coutinho).
  • Estes números provam que os produtores da Bairrada, na sua generalidade, ou não querem mandar ou não sabem como mandar os seus vinhos para avaliação. É sintomático que o João Paulo Martins, que manda um email e solicita apoio à CVR consiga avaliar em 2017 o mesmo que as principais revistas… juntas.
  • Nota-se que há produtores que não se relacionam com certos críticos ou revistas. É tão evidente que nem vou fazer comentários em relação a isso. Cada um sabe da sua casa mas num modelo em que o vinho só aparece publicado se tiver nota 15 ou superior, estranha fica esta questão. Optei por não incluir os dados em bruto, estando disponível para conversar com quem pretender mais dados.
  • De louvar a dinâmica de Carlos Campolargo. Em diversas revistas, foram analisadas 23 referências da casa Campolargo, um destaque que lhe deu tempo de antena em todas as revistas e críticos da especialidade.

As casas que mais provas enviam, que usam mais esta ferramenta são a Aliança Vinhos de Portugal (o Aliança Reserva Tinto fez o pleno e foi analisado em todas as revistas e críticos), sendo Campolargo, São João e São Domingos igualmente versáteis a mandar. Casa de Saima, Messias e Adega de Cantanhede recebem menções honrosas nesse aspecto.

  • Não há qualquer relação entre ser grande ou pequeno e o número de críticas. Há casas que não mandam ou quase não mandam produtos para análise sendo empresas que produzem em grande quantidade e/ou ao mesmo tempo, recebendo outro tipo de prémios.
  • Há produtores que, pura e simplesmente, não enviam vinhos para análise nas revistas portuguesas. Vadio, Caves da Montanha e Filipa Pato são alguns exemplos, e esta última só apareceu numa reportagem na Vinho Grandes Escolhas – as notas dos vinhos são do guia de João Paulo Martins. Foz de Arouce e Luís Pato são outros casos. Em todos estes, a forte aposta no estrangeiro ajuda a perceber a opção.

É importante analisar também que a Bairrada é caracterizada pela preponderância de empresas de pequeno porte, com gestão familiar, o que poderá alterar a forma como se pensa na comunicação dos vinhos e no seu envio para análise.

Por fim, quero também lembrar que muitas das empresas da Bairrada ainda trabalham para um segmento de preço baixo (com produtos de qualidade interessantíssima para o preço apresentado) e entendem que os seus produtos não vão ser analisados devido a isso. Mas há bons exemplos do contrário, como poderei demonstrar a quem pretender.

Em relação à metodologia descrita abaixo, quero apenas realçar alguns pormenores. Optei, à falta de uma validação própria como a tabela da Decanter (de comparação entre notas 50-100 e notas 10-20) por fazer apenas a redução matemática, algo sempre criticável. Também poderão perguntar porque me centrei apenas em notas portuguesas. Simples… este estudo é para o mercado português, para o consumidor português. Desejo tudo de bom para as marcas exportadoras da Bairrada.

O estudo / ranking Magnum Wine Club / BairradaWinePassion 2017 tem por base os vinhos com denominação de origem Bairrada ou de produtores reconhecidos na Bairrada que submeteram garrafas suas a análise crítica de meios de comunicação social e críticos com publicações regulares. Foram escolhidas a Paixão pelo Vinho (nº67 a 70) referentes a 2017, Wine (a última edição), Revista de Vinhos e Vinho Grande Escolhas, Fugas, Evasões e os livros Copo e Alma de Aníbal Coutinho (só com 363 referências) e o guia do João Paulo Martins 2018.  Todas as marcas registadas são propriedade dos seus autores/produtores tendo este estudo sido realizado usando somente dados públicos, propriedade intelectual das revistas.

Os factos são factos, as conclusões são da minha inteira responsabilidade.

Aveiro, 15 de Janeiro de 2018

João Manuel Oliveira

jmo@magnumwineclub.com

Sabores com Tradição na altura do São Gonçalinho

No âmbito do programa “Boas Festas em Aveiro”, de 10 a 15 de janeiro, decorre o “festival” gastronómico, “Aveiro, Sabores com Tradição”.

Em tempos de São Gonçalinho, os encontros gastronómicos em grupos e da diáspora aveirense já ganharam tradição nos restaurantes de Aveiro. Desta feita e à semelhança de anos anteriores, os restaurantes da cidade foram convidados a criar um menu atrativo de pratos característicos e representativos de Aveiro a oferecer nas suas ementas, para que se perpetue na memória de turistas e munícipes, os sabores da cozinha tradicional aveirense. A intenção desta iniciativa é reforçar a gastronomia local como elemento identitário da Região no processo de promoção e fruição turística  Aveirense.

Dos menus constarão iguarias bem conhecidas, tais como, Bolos de Bacalhau e Espetadas de Mexilhão, Sopa de Enguias, de Peixe ou Chora/Canja de Bacalhau, Ovos-Moles ou Cavacas, acompanhadas de Vinho ou Espumante da Região da Bairrada, vários Licores de Alguidar e Aguardente da Bairrada.

Louve-se a iniciativa, em especial na parte da gastronomia e na exigência de apresentação de vinhos Bairrada. No entanto, surge-me sempre uma dúvida nestes casos: há restaurantes que fazem parte, de caras, do meu TOP10 em Aveiro e que não surgem aqui…

Os menus disponíveis estão neste ficheiro pdf —> saborescomtradicaoementas.

Os restaurantes aderentes estarão devidamente assinalados quer a partir do exterior quer com menus próprios no interior e são os seguintes:
A Nossa Casa, À Portuguesa, Adega Tia Micas, Arco-da-Velha, Bacalhau & Afins, Cafeína dos Arcos, Cais da Tosca, Churrasqueira do Mercado, Giz Food & Drinks, Marinhas, Mercado do Peixe, Mestre do Leme, O Barril, O Centenário, O Lavrador, O Mercantel, Os Ceboleiros, Porta 36, Rebaldaria, Restaurante do Hotel Imperial, Restaurante Salpoente, Sombras Salgadas, Tasca do Sal, Tico-Tico e Trincadeira.

Wine Fest 2017 do Porto no sábado!

O próximo sábado, dia 18, obriga-nos a pensar em ir ao Porto. Mais especificamente ao Salão Nobre da Alfândega do Porto que recebe mais de 30 produtores de vinhos e espumantes. É a repetição, dado o sucesso da primeira edição, do Wine Fest Porto, um evento do Luís Gradissimo que vale a pena, pela qualidade e consistência dos produtores. 300 referências de 11 regiões portuguesas estarão presentes num evento que se realiza entre as 15h00 e as 20h00, no Salão Nobre do edifício da Alfândega do Porto.

Para além das presenças (que estão aqui numa lista embaixo) A organização conta com outros motivos para levar os enófilos a ir lá, infelizmente esgotadas: Os apreciadores de vinhos que garantiram lugar, vão poder usufruir de três ‘Provas Especiais’: “Casa da Passarella – 125 Anos de História” (Dão); “Os segredos de Joaquim Arnaud” (Alentejo); e “Horácio Simões – Uma história à volta do Moscatel Roxo” (Península de Setúbal).

Neste dia o Wine Club Portugal comemora três anos de atividade e a data ficará assinalada com a apresentação da nova marca, que servirá também de assinatura às edições WINE FEST Lisboa e Porto, já a partir de 2018.

A entrada no evento tem o valor de 10€ e os bilhetes estão disponíveis na Ticketline, on-line e nos locais habituais como Fnac, Worten, El Corte Inglés ou Agências Abreu, por exemplo.

PRODUTORES PRESENTES NOWINE FEST 2017 PORTO
Vinho Verde: Vinho Verde Young Projects; Quinta do Ferro; Quinta do Regueiro, Pessoa Wines.
Douro: Pessoa Wines; Esmero; Quinta de Ventozelo; Vieira de Sousa; Quinta da Rede; Vinilourenço; Maçanita Vinhos; Dalva; Messias.
Vinho do Porto: Dalva; Messias; Blackett.
Trás-os-Montes : Casal Faria; Do Joa.
Bairrada Quinta dos Abibes; Casa de Saima; ; Quinta das Bágeiras; Messias.
Dão: Messias; Casa da Passarela; Quinta Vale do Cesto; Quinta de Lemos.
Beira Interior: Quinta do Cardo.
Tejo: Romana Vini.
Lisboa: Quinta de Pancas; Câmara Municipal de Oeiras – Carcavelos; Romana Vini; Joaquim Arnaud.
Península de Setúbal e Moscatel de Setúbal: Horácio Simões.
Alentejo: Herdade do Arrepiado Velho; Monte da Ravasqueira; Joaquim Arnaud; Vinha das Virtudes; Lima Mayer; Fita Preta Vinhos.

Jornadas de Enoturismo na Bairrada a 7 e 8 de Novembro

As sétimas Jornadas de Enoturismo realizam-se este ano na Bairrada, no Grande Hotel do Luso. Quatro painéis, algumas visitas e provas são face mais visível do evento, que é incluído na Semana do Enoturismo, que contempla acções nas cinco regiões vitivinícolas do Centro de Portugal.

O programa, que está disponível no site, bem como os oradores convidados, contempla quatro painéis, sobre a Sustentabilidade, Património, Enogastronomia e Termalismo, Saúde e Vinho. Caves como a Aliança, Messias, São João e Quinta do Encontro serão alguns dos locais visitados pelos participantes. Este tema será também o assunto do podcast de hoje e estaremos presentes no evento, durante os dois dias.

Um Wine Sunset 5 Estrelas!


O convite partiu do Casablanca, ao qual a Garrafeira 5 Estrelas se associou desde a primeira hora. E a Mercentro também. Palavra puxa palavra, distribuidor puxa produtor, e com eles muita, muita gente. Se juntarmos os petiscos do Chef Tony Martins e a música do Vasco Miguel, estava tudo pronto para um final de tarde muito bom na Vagueira.

E como o sol ajudou, a tradicional filosofia dos portugueses (onde se registam 3, podem ir 1 ou 5) fez com que o espaço se enchesse! Um pouco demais para quem queria estar calmamente a falar com produtores, mas a boa onda, bom som e bom vinho serviram para que tudo corresse pelo melhor.

Quanto aos vinhos (os petiscos estiveram em quantidade diminuta para a ocasião), houve dois ou três que estiveram em primeira mão na zona de Aveiro sendo um dos exemplos a Herdade da Mingorra que ainda é uma desconhecida (mas dará que falar) ou o Soito Wines, do Dão, e outros já eram velhos conhecidos dos presentes, mas que não podem deixar de estar, para gáudio de todos, como Quinta de Santiago, Piorro, Zé da Leonor, Ana Rola ou Adega de Cantanhede.

Um dos espaços que esteve em grande foi o Martha’s cujos cocktails e Porto Tónico divertiram os presentes. Em traços gerais, boa organização. Com ainda melhor tempo, vai ser necessário ir para o areal 🙂

José Carvalheira marca os seus 20 anos com Vigesimum

E quando um homem chega às 23 colheitas, surge… o vinho comemorativo das suas 20 vindimas!

Para José Carvalheira, a decisão de honrar as suas 20 vindimas com um vinho de homenagem, marcante, estava tomado. E também o tipo. Sair fora da sua zona de conforto, daquilo que ele gosta de fazer e ensinar: o espumante. Por isso, nunca poderia ser um vinho espumante. E com um histórico de geração e prémios, a ideia de fazer um vinho tinto ganhou força… Aquilo que José Carvalheira não estava a contar era com a vindima, difícil, de 2014. Quase que teve que arranjar um guarda-chuva para cada videira…

Mas no final, o esforço compensou e o seu trabalho de enólogo tem um produto que o honra para apresentar. Vigesimum, nome latino para a vigésima colheita que fez, esperou até 2017 para sair da adega e dar corpo ao vinho. Um vinho que, segundo o seu autor, irá dar mais daqui a uns anos mas que demonstra claramente o seu potencial desde já.

Vigesimum demonstra o nível, o estilo, a forma de estar de José Carvalheira. Um senhor dos espumantes que vai aos vinhos tintos ambicionar algo mais! Ouçam toda a história no video!

Caves Messias com enoturismo renovado

Uma loja moderna e condigna, um espaço multifacetado – que pode servir para prova ou exposições, e uma entrada directa para as labirinticas caves são algumas das novidades das Caves Messias, cuja inauguração oficial não deve tardar!

A convite das Caves Messias, nomeadamente do Miguel Pereira, estivemos a visitar o espaço, que está muito agradável. Convive perfeitamente com a estrutura actual mantendo a postura discreta da casa mas que revela no seu interior outra das caracteristicas deste espaço: qualidade e preços fantásticos.

Mal seja inaugurada, avisamos mas acho que nesta fase de soft opening, as Caves Messias já recebem visitantes, nomeadamente na loja!

E como os vinhos são muito gastronómicos e o grupo ia a seguir para o Velodromo, não podia faltar o inevitável repasto tipicamente bairradino!

E os vencedores do Bairrada Vinho e Sabores foram…

Por favor, não criem títulos a dizer que o melhor espumante da Bairrada é… o vencedor. Quando um vinho ganha um concurso, ganha um concurso com certas regras, com um júri e com uns certos concorrentes.

O vencedor do concurso de espumantes inserido no Bairrada Vinhos e Sabores foi o “São Domingos Elpídio 80 branco 2011”, uma edição limitada (4.821 garrafas) de um espumante premium, que a Caves do Solar de São Domingos acaba de lançar para celebrar a efeméride dos 80 anos da empresa e uma homenagem ao seu fundador, Elpídio Martins Semedo.

De entre os mais de 50 espumantes a concurso – que se realizou na manhã de sábado no Museu do Vinho Bairrada, em Anadia, perante um painel de jurados composto por jornalistas, críticos de vinhos, enólogos e representantes do comércio –, foram 13 os laureados com Medalha de Ouro.

O ‘Concurso Espumantes Bairrada’ acontece de dois em dois anos, intercalado com o ‘Concurso de Vinhos e Espumantes Bairrada’. A última edição foi em 2015 e a Grande Medalha de Ouro foi também atribuída a um espumante da Caves do Solar de São Domingos: o ‘Lopo de Freitas branco 2010’.

O ‘São Domingos Elpídio 80 branco 2011’ é um espumante com Denominação de Origem Bairrada produzido pelo método clássico – segunda fermentação em garrafa – e resultado da combinação das castas Pinot Noir (50%) e Pinot Blanc (50%), invulgar na produção de espumantes na região.

Lista de Vencedores Concurso de Espumantes Bairrada 2017

Grande Medalha de Ouro

São Domingos Elpídio 80 branco 2011 (Caves do Solar de São Domingos)

Medalhas de Ouro

Aliança Baga Bairrada Reserva branco 2014 (Aliança Vinhos de Portugal)

Campolargo Cercial branco 2013 (Manuel dos Santos Campolargo)

Faina Maior Baga Bairrada branco 2014 (Caves São João)

Flutt branco (PositiveWine)

Luiz Costa Pinot Noir Chardonnay branco 2014 (Caves São João)

Montanha Baga Bairrada Grande Cuvée branco 2013 (Caves da Montanha)

Montanha Grande Cuvée Chardonnay-Arinto branco 2010 (Caves da Montanha)

Primavera Baga Bairrada branco 2015 (Caves Primavera)

Quinta do Poço do Lobo Baga Bairrada branco 2014 (Caves São João)

Quinta dos Abibes Arinto-Baga Reserva branco 2013 (Quinta dos Abibes)

São Domingos Baga Bairrada branco 2013 (Caves do Solar de São Domingos)

São Domingos Velha Reserva branco 2013 (Caves do Solar de São Domingos)

Unum Touriga Nacional branco 2012 (Caves Primavera)

Este post não tem fotografia do vencedor. Acho que todos sabem a razão.

E decorreu a quinta edição do Bairrada Vinho e Sabores…

Como foi garantido, este blog esteve presente no Bairrada Vinho e Sabores. Nunca falhámos uma edição e por isso também não falharíamos esta. Mas como enófilos, fizémos um certo programa paralelo 🙂 Já contaremos tudo, e referimos o que entendemos estar bom, mais ou menos, e a necessitar urgentemente de alteração.

O evento nunca esteve cheio – e o termo de comparação dos outros anos foi igual: a sexta-feira e o sábado mas isso é uma pescadinha de rabo na boca: dá para circular e chegar aos stands e não há encontrões… O espaço é grande (dai dar a sensação de não estar “repleto”) e o número de participantes é limitado.

Aqui estamos no segundo ponto: pelo menos dois/tres produtores novos estiveram presentes (Lagoa Velha, Positive Wine e Terras de Sicó) e não faltou nenhum dos óbvios e bons nomes da Bairrada. Tendo em conta o mercado, neste parâmetro está impecável.

Terceiro ponto: a presença dos produtores e dos vinhos. Aqui é que o problema surge mais amplificado, nomeadamente quando estamos a falar das marcas mais fortes. Mas mesmo assim, na grande maioria das casas, somos recebidos pelos produtores ou enólogos. Alguns falham ou não estão presentes (e a vindima não desculpa tudo) o que se nota. Posso dar o exemplo que em Nelas, no fim de semana passado, a grande maioria das casas estavam os produtores. E isso para os enófilos conta muito.  Quanto aos vinhos, é natural que com produtos “topo de gama” em quantidades diminutas, os produtores não o tragam para a feira. Nada contra. Estratégias. Outros, inteligentes, seleccionam os clientes e usam a conhecida técnica da “garrafa debaixo da mesa”. Perfeito. É que os críticos não se podem esquecer que é uma feira de entrada livre. Deixamos uma sugestão, muito boa, para futuras edições.

Quarto ponto: O programa. Que foi mais do mesmo. Acrescentaram os jantares dos produtores – no local – ao invés os jantares no Velódromo. E acrescentaram o concurso de fotografia. Em relação às provas comentadas, ao invés de figuras nacionais (João Afonso e Fernando Melo) recorreram ao João Filipe Soares (enólogo da Messias) e ao Francisco Antunes (Enólogo da Aliança). O Luís Lopes continua a fazer a sua prova mais superlativa, no sábado às 18h ( o que corta a participação dos que querem estar a ver stand, mas entende-se pois a programação da organização não é a nossa).

No geral, o Bairrada Vinho e Sabores é um conceito semelhante a outros, que ao enófilo interessa e ao público em geral interessa muito. E como é para eles que a Feira é dirigida, só aconselho alguma reflexão sobre as sugestões abaixo.

Pontos positivos: Entrada Livre – Franca Participação dos Produtores – Produtos à disposição, no geral

Pontos mais ou menos: Temperatura de serviço nos tintos – falta de preparação de alguns jovens para enófilos com mais conhecimento – Falta de animação que agarre o público – Falta de informação sobre o preço dos copos (que era bem acessível)

Sugestões de Melhoria: Programação extra-feira (inexistente) – Entrada Premium com direito a “outros vinhos” – Programação musical para o público em geral se deslocar ao local.

As fotos completas dos vinhos provados estão no Facebook do Magnum Wine Club

Bairrada com evento vínico já este fim de semana

O evento vínico mais representativo da Bairrada vai para a sua quinta edição. Quatro anos com o nome Encontro com o Vinho e Sabores Bairrada, surge este ano com o nome Bairrada Vinhos & Sabores, devido às mudanças editoriais da equipa que faz a produção do evento, cuja organização. continua a ser responsabilidade dos principais motores vinicos da região: a Rota da Bairrada e a CVR com o apoio financeiro do Turismo do Centro de Portugal.

36 stands com igual número de produtores presentes fazem desta feira um local único para iniciantes, enófilos e apaixonados do vinho e dos vinhos bairradinos conseguirem provar, beber e experimentar marcas clássicas e recentes. E esta feira permite também conjugar os vinhos com os sabores, seja o omnipresente Leitão seja outras, igualmente excelentes, iguarias.

Mas vamos a factos: as informações estão no site http://bairrada.grandesescolhas.com mas fica aqui o resumo: abre na sexta às 17h, estando aberto até às 22h. No sábado o horário é 15-22h e no domingo, um pouco menos, entre as 15-20h. O local, desde sempre, é o Velódromo de Sangalhos, incluindo para os jantares temáticos, sendo apenas o Museu do Vinho, em Anadia, a casa emprestada para uma das provas vínicas aguardadas.

Para quem puder, há 3 provas vínicas comentadas por Francisco Antunes (Aliança) – espumantes da Bairrada -. João Sores (VPuro e Messias) sobre os brancos e tintos – e no sábado, “Bairrada de ontem e de hoje, em viagem por um terroir único”, uma prova conduzida por Luís Lopes.

A entrada é livre, segundo o site. A nossa experiência em eventos vínicos deste estilo é que, para provar, é necessário um copo de prova, que se compra, com porta-copos, por cerca de 2,5 ou 3 euros. Mas como não temos outra informação, nem isso é referido no site, não sabemos se este ano oferecem o copo.

Aqui ficam os produtores. Boas provas!

Este evento será o tema de hoje do podcast Magnum Wine Rádio que regressa de férias na RVN (Rádio Vila Nova) às 21h.