Confraria Gastronómica do Bacalhau comemora 20 anos e entroniza Rota da Bairrada e… Pedro Abrunhosa!

XX Capítulo da Confraria Gastronómica do Bacalhau – Conferência de imprensa (Foto: Carlos Duarte)

Decorre no próximo dia 20 de Janeiro, excepcionalmente a um domingo, na Casa da Cultura de Ílhavo (CCI) o 20º aniversário da Confraria Gastronómica do Bacalhau. E é nesse dia porque comemoram exactamente na data fundadora!  O programa é o habitual (mais abaixo deste texto) e os entronizados de honra são um homem ligado ao bacalhau (algo que é tradição), Pedro Abrunhosa e a Rota da Bairrada!

Aqui está o programa completo do repasto!

10.00h – Concentração das Confrarias Gastronómicas portuguesas e estrangeiras, sendo servida a “Patanisca de Honra”

11.00h – No auditório do CCI cerimónia evocativa dos 20 anos da Confraria, seguindo-se a entronização dos Confrades Efectivos (Alexandre Pinto – Prof. de Seguros, Aníbal Veiga  – Capitão da frota bacalhoeira e José Esteves, Arquitecto) e dos Confrades de Honra (José da Rocha Castro – “Zé do Miguel”, antigo pescador do bacalhau, Pedro Abrunhosa, cantor, compositor e músico e a Rota da Bairrada, entidade de carácter regional de dinamização, promoção e valorização da actividade vitivinícola da Bairrada.

Segue-se a troca de lembranças e a foto da “família Confrádica”

13.30 – Almoço

17.00h sessão de cinema “A Campanha do Argus” de Alan Villiers.

Gastronomia de Bordo no Maradentro (Ílhavo)

Restaurante situado no centro de Ílhavo, numa transversal da rua principal de acesso às Gafanhas e junto ao Cais da Malhada, o Maradentro tem uma sala simples e eficaz, e pretende – o desenho do nome, da carta e dos próprios vinhos assim o indica – apostar no Mar, no peixe e no Bacalhau.

Apostei mais uma vez na experiência gastronómica, que contemplava os vários momentos da refeição. As entradas, servidas com requinte, continham um azeite de Valpaços com extra acidez e flor de sal, um paté de bacalhau caseiro e ovas cozidas do mesmo, com pimentas de boa consistência. A acompanhar, um saquinho de pão com folar de Vale de Ílhavo, entre outras abordagens – broa, etc, que conjugaram de forma perfeita. Nesta primeira fase, acompanhei as entradas e a Chora com um espumante bairradino, o Quinta das Bageiras Bruto 2016 que esteve em óptimo nível.

A dita “Chora” de Bacalhau – cada restaurante ou local onde a coma irão contar uma versão de como era feita e razão do nome, desde a “lágrima”, o líquido que a cabeça do dito expulsava até às saudades dos pescadores nos seus dóris… – costuma variar entre uma versão bem pobre, em que uns fiapos e partes menos nobres (espinhas, peles, etc) do peixe em azeite ou, como a servida, mais “rica”, com arroz, hortelã e salsa. Mais feita ao estilo das mulheres dos pescadores.

Como prato principal, o arroz de brisa com línguas de bacalhau. Para quem conhece, é um arroz de grelos com línguas de bacalhau bem saborosas e tenras, soltinho, no ponto, e com uma quantidade no tachinho que daria claramente para dois!

Aproveitámos o ensejo para provar um vinho que entrará na carta para a próxima semana e que acompanhou de forma magnífica os dois momentos principais: falo do Fonte do Ouro Reserva Especial Encruzado 2017. Um acompanhamento imprescindível, embora a carta tenha outros momentos de prazer, a preços justos.

E já satisfeito, ainda tinha pela frente o Abafadinho de Bacalhau. O nominativo ilhavense para um tachinho de caldeirada de bacalhau, com o gadus morhua islandês a ser uma posta do cachaço do bacalhau, e de todos os tradicionais acompanhamentos de uma caldeirada: as batatas, pimento, tomate, salsa e umas fatias de pão no tomate.

Já no campo da lúxuria, provou-se as Papas de Abóbora, sem a coloração habitual (devido a uso da canela e do vinho do Porto) mas de sabor característico e onde os frutos secos, postos por cima, davam um toque crocante muito agradável.

E se ainda não pensássemos mais em bacalhau, o café, acompanhado de um biscoito em forma de bacalhau lembrar-no-ia que estávamos numa casa em que o rei de Ílhavo quer estar presente de todas as formas!

Em resumo, uma casa que com um ou dois pequenos ajustes – os tachinhos precisam ser mais bonitos pois o conteúdo merece – pode ter a vida e a frequência de quem quer conhecer o Bacalhau nas suas diversas formas – eles têm um menu de degustação que é para duas pessoas, claramente, pelas quantidades experimentadas no decorrer do Festival!

 

Restaurante Maradentro

Rua da Malhada, 2A

3830-141 Ílhavo

GPS: 40°36’21.5″N 8°40’32.5″W

Google Maps: 40.605981, -8.675696

Horário semanal: Quarta a segunda-feira: almoços entre as 12h00 e as 15h00 e jantares entre as 19h00 e as 22h30.

Telefone para reservas: (+351) 910 497 439

E-mail: rsvp@maradentro.restaurant

E-mail: info@maradentro.restaurant

Gastronomia a Bordo anima Ílhavo entre 14 e 18 de Novembro

De 14 a 18 de novembro, Ílhavo embarca numa aventura de degustação, que nos remete para as longas campanhas de pesca do Bacalhau nos mares gélidos do Atlântico Norte.

Durante o festival será também possível “mergulhar” no património gastronómico nacional, através de visitas a estaleiros, museus, fábricas, lotas, navios e também a outros equipamentos de transformação e preparação alimentar. O Festival Gastronomia de Bordo apresenta-se, assim, numa homenagem à cozinha tradicional portuguesa, e bacalhoeira, tendo como “porto seguro” catorze restaurantes do Município de Ílhavo, num modelo contemporâneo e inovador, suportado nos sabores e nas tradições a bordo dos bacalhoeiros projetados em experiências e especialidades gastronómicas únicas e particulares.

O Festival Gastronomia de Bordo projeta para os dias de hoje a gastronomia, tradicionalmente produzida a bordo das embarcações de pesca longínqua. Exemplo disso é a famosa Chora, uma sopa feita com a cabeça do bacalhau que deu mote a alguns ditos entre os homens nos navios “quem come chora, tem de cá voltar!”.

Eram servidos pratos como a feijoada de chispe, feijão assado, caldeirada de espinhas de bacalhau, bacalhau frito, o “pão da pana” e o “queque dos domingos”, entre outros, comida retemperante para climas hostis e mares inóspitos enfrentados por heroicos pescadores…

Às memórias gastronómicas de bordo não serão alheios os processos tradicionais de conservação dos produtos da pesca: a “cura tradicional portuguesa”, o peixe fresco, a salga, a seca e as conservas.

Sentidos de Mar – Programa

Restaurantes aderentes:

» A Praia do Tubarão

» Bela Ria

» Canastra do Fidalgo

» Cantina Bar da Lota

» Duna do Meio

» Estrela do Mar

» Maradentro

» Marisqueira Barra

» Marisqueira da Costa Nova

» Montebelo Vista Alegre Ílhavo Hotel

» O Gafanhoto

» O Navegante

» Salsus

» Traineira

Experiencias e Especialidades

 

Magnum Wine Radio 122 – Estórias de um Capítulo sobre Bacalhau

A Confraria Gastronómica do Bacalhau nasceu em Ílhavo em 1999 e por isso já conta com 19 anos, e consequentemente, 19 Capítulos, a tradicional refeição anual de grande partilha entre os apaixonados das várias confrarias e dos sabores tradicionais do país.

Mais de centena e meia deles reuniram-se no Museu Marítimo, para assistir à entronização de 4 confrades de honra e 1 efectivo e depois rumaram ao Hotel de Ílhavo onde aconteceu o repasto. Pelo meio, uma visita, em jeito de homenagem, ao Aquário dos Bacalhaus… Foi tipo, para abrir o apetite.

Ao longo dos vários momentos, o Bacalhau foi omnipresente. Pataniscas, punheta, cara, bola, pasteis, bolos de bacalhau, até bolinhos em formato do gadus morhua (espalmado) apareceram… 🙂

Como vêem, a lista do repasto foi muito interessante. Ficámos deliciados com tudo, embora como da região, os sabores já eram por demais conhecidos.

Para o podcast, o nosso convidado foi João da Madalena, o grão mestre da confraria e fomos perguntar também a uma confreira de Valongo o que ela tinha achado. Tudo pelo Bacalhau, o nosso fiel amigo!