Magnum Wine Radio 177 – Refresh Bairrada é no dia 07 de Julho em Aveiro

Se desde sempre o REFRESH – Espumantes Bairrada era um evento que simboliza a Bairrada e os seus espumantes, também era associado a Coimbra, e em especial às Piscinas do Mondego.

Mas este ano dá um passeio até Aveiro, à cidade dos canais, e apresenta-se na esplanada do Olaria, no Centro Cultural e de Congressos, com organização a cargo da CVR Bairrada.

O evento que junta produtores vitivinícolas e enófilos em torno do espumantes, custa 5 euros (com convite) a 10 euros (sem convite) com direito a flute e decorre das 15h às 20h de dia 07 de Julho, sendo muito fácil chegar de comboio (preferencial) ou de carro, pois realiza-se no centro da cidade. Pela experiência dos últimos anos, a maior parte dos produtores marca presença (cerca de duas dezenas, pelo menos).

Tendo em conta que, em princípio, para o ano este evento volta a Coimbra, lançamos o desafio a todos para se deslocarem a Aveiro e demonstrarem a nossa paixão pelos espumantes!

Magnum Wine Radio 175 – Brut Experience deu prémios aos melhores espumantes

Os resultados do concurso de espumantes Brut Experience foram muito interessantes para a Bairrada, tendo os seus vinhos recebido a maioria das medalhas da categoria principal. Foi esse o tema principal do podcast, que falou também das muitas e boas provas que decorrem em Julho

De entre os 96 espumantes Brutos e Brutos Naturais presentes a concurso, o júri, constituído por jornalistas, bloggers, enólogos, escanções e comerciantes de vinhos portugueses e de outros países europeus, selecionou 28 vencedores, galardoados com Medalhas de Ouro e Prata, nas categorias Jovem, Reserva, Super Reserva e Grande Reserva. “Este ano não foram atribuídas medalhas de Prestígio, alcançáveis para espumantes com 95 pontos ou mais, em 100 na competição, apesar de algumas marcas terem andado no limiar deste patamar”, destacaram os organizadores, José Miguel Dentinho (jornalista e experimentado provador de vinhos) e Luís Gradíssimo (empreendor, formador e fundador da marca Enóphilo).

No concurso Brut Experience 2018, onde são apenas atribuídas medalhas a 30% dos vinhos em competição, estiveram presentes espumantes oriundos das regiões portuguesas dos Vinhos Verdes, Douro, Távora-Varosa, Dão, Bairrada, Tejo, Lisboa, Península de Setúbal, Alentejo e Madeira, França e Alemanha. Entre as distinções Ouro, o destaque vai para a Bairrada, que conquistou sete Medalhas com os espumantes: Kompassus Blanc des Noirs Bruto Natural Super Reserva 2014 (Kompassus Vinhos); Luiz Costa branco Bruto Natural Super Reserva 2015 (Caves São João); Regateiro branco Bruto Super Reserva (Lusovini); Hibernus Premier branco Bruto 2016 (Maria do Rosário Reis Tiago Carvalheira); Marquês de Marialva branco Extra Bruto Cuvée Grande Reserva (Adega de Cantanhede); Joaquim Arnaud branco Bruto Super Reserva 2014 (Joaquim Arnaud); e Aplauso branco Bruto Reserva 2015 (Lusovini). A região dos Vinhos Verdes recebeu três distinções Ouro – Dom Ferro branco Bruto Super Reserva 2007 (Quinta do Ferro), Muralhas de Monção branco Bruto Reserva 2015 (Adega Cooperativa e Regional de Monção) e Quinta da Calçada Colheita Imperial branco Bruto Reserva (Agrimota), o mesmo tendo acontecido com a região de Lisboa, onde se destacaram os espumantes Quinta do Rol rosé Extra Bruto Grande Reserva (Quinta do Rol), Quinta da Romeira branco Bruto Reserva 2014 e Quinta da Romeira branco Brut Nature Reserva 2012 (WineVentures).

Magnum Wine Radio 131 – Bruno Seabra, o enólogo da Montanha, em grande entrevista!

Bruno Seabra não é o típico enólogo-estrela. Mas é um trabalhador que tem em mãos uvas das mais variadas proveniências, compra uvas, faz espumantes e vinhos de combate e outros de enorme qualidade. Ou não fosse ele o enólogo das Caves da Montanha, que ambiciona ser a maior casa nacional de espumantes. Uma conversa que fala de espumantes, da Montanha e da Bairrada!

Magnum Wine Radio 111 – As escolhas das manas Paralta para começar 2018

Fomos à Garrafeira 5 Estrelas entrevistar a Carla e a Mariana Paralta em busca de sugestões para a passagem de ano 2018! Foram sugestões 5 Estrelas, com especial destaque para os espumantes Alvarinho, a Murganheira e um enorme destaque para vários produtores da Bairrada!

Magnum Wine Radio 110 – Feliz Natal

Desejamos a todos os ouvintes do Magnum Wine Radio, seja em podcast ou na Rádio Vila Nova, um enorme e Feliz Natal, com excelentes vinhos no sapatinho e na mesa.

Voltamos na quarta-feira, com sugestões para o ano novo!

Magnum Wine Radio 109 – As escolhas de José Francisco Silva, da Latina Adega

José Francisco Silva é o proprietário da Latina Adega, uma garrafeira de Aveiro, mas também é o presidente da Associação dos Industriais de Panificação. E devido a isso falou sobre a importância do Natal para as vendas, o vinho que mais o marcou em 2017 (o Reserva Especial 2009) mas também 5 vinhos que os consumidores mais lhe pediram e que o surpreenderam de alguma forma.

Quinta do Pessegueiro 2014, Vigesimum por José Carvalheira, Sidónio de Sousa Garrafeira 2011 e as casas Monte Cascas e o espumante Prior Lucas foram os destaques.

Magnum Wine Radio 98 – Estivemos na I Gala Gastronómica da Bairrada

Estivemos na I Gala Gastrómica da Bairrada,um evento que se realizou no Hotel Paraíso e que contou com cinco chefes oriundos da Bairrada e também com vinhos, nestes casos, espumantes, igualmente da Bairrada. O podcast conversou com António Dias Cardoso, Bruno Seabra e José Carvalheira. Uma conversa diferente com os três enólogos presentes!

 

Um Wine Sunset 5 Estrelas!


O convite partiu do Casablanca, ao qual a Garrafeira 5 Estrelas se associou desde a primeira hora. E a Mercentro também. Palavra puxa palavra, distribuidor puxa produtor, e com eles muita, muita gente. Se juntarmos os petiscos do Chef Tony Martins e a música do Vasco Miguel, estava tudo pronto para um final de tarde muito bom na Vagueira.

E como o sol ajudou, a tradicional filosofia dos portugueses (onde se registam 3, podem ir 1 ou 5) fez com que o espaço se enchesse! Um pouco demais para quem queria estar calmamente a falar com produtores, mas a boa onda, bom som e bom vinho serviram para que tudo corresse pelo melhor.

Quanto aos vinhos (os petiscos estiveram em quantidade diminuta para a ocasião), houve dois ou três que estiveram em primeira mão na zona de Aveiro sendo um dos exemplos a Herdade da Mingorra que ainda é uma desconhecida (mas dará que falar) ou o Soito Wines, do Dão, e outros já eram velhos conhecidos dos presentes, mas que não podem deixar de estar, para gáudio de todos, como Quinta de Santiago, Piorro, Zé da Leonor, Ana Rola ou Adega de Cantanhede.

Um dos espaços que esteve em grande foi o Martha’s cujos cocktails e Porto Tónico divertiram os presentes. Em traços gerais, boa organização. Com ainda melhor tempo, vai ser necessário ir para o areal 🙂

E decorreu a quinta edição do Bairrada Vinho e Sabores…

Como foi garantido, este blog esteve presente no Bairrada Vinho e Sabores. Nunca falhámos uma edição e por isso também não falharíamos esta. Mas como enófilos, fizémos um certo programa paralelo 🙂 Já contaremos tudo, e referimos o que entendemos estar bom, mais ou menos, e a necessitar urgentemente de alteração.

O evento nunca esteve cheio – e o termo de comparação dos outros anos foi igual: a sexta-feira e o sábado mas isso é uma pescadinha de rabo na boca: dá para circular e chegar aos stands e não há encontrões… O espaço é grande (dai dar a sensação de não estar “repleto”) e o número de participantes é limitado.

Aqui estamos no segundo ponto: pelo menos dois/tres produtores novos estiveram presentes (Lagoa Velha, Positive Wine e Terras de Sicó) e não faltou nenhum dos óbvios e bons nomes da Bairrada. Tendo em conta o mercado, neste parâmetro está impecável.

Terceiro ponto: a presença dos produtores e dos vinhos. Aqui é que o problema surge mais amplificado, nomeadamente quando estamos a falar das marcas mais fortes. Mas mesmo assim, na grande maioria das casas, somos recebidos pelos produtores ou enólogos. Alguns falham ou não estão presentes (e a vindima não desculpa tudo) o que se nota. Posso dar o exemplo que em Nelas, no fim de semana passado, a grande maioria das casas estavam os produtores. E isso para os enófilos conta muito.  Quanto aos vinhos, é natural que com produtos “topo de gama” em quantidades diminutas, os produtores não o tragam para a feira. Nada contra. Estratégias. Outros, inteligentes, seleccionam os clientes e usam a conhecida técnica da “garrafa debaixo da mesa”. Perfeito. É que os críticos não se podem esquecer que é uma feira de entrada livre. Deixamos uma sugestão, muito boa, para futuras edições.

Quarto ponto: O programa. Que foi mais do mesmo. Acrescentaram os jantares dos produtores – no local – ao invés os jantares no Velódromo. E acrescentaram o concurso de fotografia. Em relação às provas comentadas, ao invés de figuras nacionais (João Afonso e Fernando Melo) recorreram ao João Filipe Soares (enólogo da Messias) e ao Francisco Antunes (Enólogo da Aliança). O Luís Lopes continua a fazer a sua prova mais superlativa, no sábado às 18h ( o que corta a participação dos que querem estar a ver stand, mas entende-se pois a programação da organização não é a nossa).

No geral, o Bairrada Vinho e Sabores é um conceito semelhante a outros, que ao enófilo interessa e ao público em geral interessa muito. E como é para eles que a Feira é dirigida, só aconselho alguma reflexão sobre as sugestões abaixo.

Pontos positivos: Entrada Livre – Franca Participação dos Produtores – Produtos à disposição, no geral

Pontos mais ou menos: Temperatura de serviço nos tintos – falta de preparação de alguns jovens para enófilos com mais conhecimento – Falta de animação que agarre o público – Falta de informação sobre o preço dos copos (que era bem acessível)

Sugestões de Melhoria: Programação extra-feira (inexistente) – Entrada Premium com direito a “outros vinhos” – Programação musical para o público em geral se deslocar ao local.

As fotos completas dos vinhos provados estão no Facebook do Magnum Wine Club

Bairrada com evento vínico já este fim de semana

O evento vínico mais representativo da Bairrada vai para a sua quinta edição. Quatro anos com o nome Encontro com o Vinho e Sabores Bairrada, surge este ano com o nome Bairrada Vinhos & Sabores, devido às mudanças editoriais da equipa que faz a produção do evento, cuja organização. continua a ser responsabilidade dos principais motores vinicos da região: a Rota da Bairrada e a CVR com o apoio financeiro do Turismo do Centro de Portugal.

36 stands com igual número de produtores presentes fazem desta feira um local único para iniciantes, enófilos e apaixonados do vinho e dos vinhos bairradinos conseguirem provar, beber e experimentar marcas clássicas e recentes. E esta feira permite também conjugar os vinhos com os sabores, seja o omnipresente Leitão seja outras, igualmente excelentes, iguarias.

Mas vamos a factos: as informações estão no site http://bairrada.grandesescolhas.com mas fica aqui o resumo: abre na sexta às 17h, estando aberto até às 22h. No sábado o horário é 15-22h e no domingo, um pouco menos, entre as 15-20h. O local, desde sempre, é o Velódromo de Sangalhos, incluindo para os jantares temáticos, sendo apenas o Museu do Vinho, em Anadia, a casa emprestada para uma das provas vínicas aguardadas.

Para quem puder, há 3 provas vínicas comentadas por Francisco Antunes (Aliança) – espumantes da Bairrada -. João Sores (VPuro e Messias) sobre os brancos e tintos – e no sábado, “Bairrada de ontem e de hoje, em viagem por um terroir único”, uma prova conduzida por Luís Lopes.

A entrada é livre, segundo o site. A nossa experiência em eventos vínicos deste estilo é que, para provar, é necessário um copo de prova, que se compra, com porta-copos, por cerca de 2,5 ou 3 euros. Mas como não temos outra informação, nem isso é referido no site, não sabemos se este ano oferecem o copo.

Aqui ficam os produtores. Boas provas!

Este evento será o tema de hoje do podcast Magnum Wine Rádio que regressa de férias na RVN (Rádio Vila Nova) às 21h.